Busca avançada
Ano de início
Entree

Adesão e formação de biofilme misto das espécies de Candida albicans e Candida glabrata sobre dois tipos de reembasadores resilientes e uma resina termopolimerizável para base de prótese. Efeito da rugosidade superficial e energia livre de superfície.

Processo: 13/24831-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2014
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Materiais Odontológicos
Pesquisador responsável:Ana Lucia Machado
Beneficiário:Maíra Nathalia Lache
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOAr). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Candida glabrata   Resinas acrílicas   Candida albicans

Resumo

Nas reabilitações orais com próteses removíveis, frequentemente existe a necessidade de se utilizar materiais reembasadores resilientes, que podem ser à base de silicone ou de resina acrílica plastificada. Esses reembasadores podem apresentar diferentes características superficiais que podem influenciar no processo de colonização por espécies de Candida e, consequentemente, na ocorrência da estomatite protética. Embora a Candida albicans seja considerada o principal agente etiológico dessa patologia, espécies não albicans, dentre elas a Candida glabrata, também tem sido isoladas. Existe pouca informação sobre os efeitos das características de superfície dos materiais resilientes sobre a adesão e formação de biofilmes de C. albicans e C. glabrata, e a influência dessas características na adesão e formação de biofilme misto das duas espécies ainda não foi investigada. Assim, o objetivo deste estudo será avaliar a influência da rugosidade e energia livre de superfície de dois reembasadores resilientes, sendo um à base de silicone e um à base de resina acrílica, e uma resina acrílica utilizada termopolimerizável para base de prótese na adesão inicial e na formação de biofilme dual de C. albicans e C. glabrata. Para isso, corpos de prova (13,8 X 2 mm) de cada um dos materiais serão confeccionados de acordo com as instruções dos fabricantes. Suspensões fúngicas padronizadas (1x107 células/mL) das duas espécies (C. albicans e C. glabrata) serão colocadas sobre os corpos de prova posicionados em placas de cultura e incubadas por 90 minutos (fase de adesão) ou 48 horas (formação de biofilmes) a 37 °C. A adesão inicial e a formação de biofilme serão avaliadas por meio da contagem de unidades formadoras de colônias (UFC/mL). Os resultados (UFC/mL) para cada material, obtidos nos testes de adesão e de formação de biolfime, serão tabulados, analisados estatisticamente para posterior interpretação e discussão. Além disso, serão realizadas análises em microscopia eletrônica de varredura (MEV) tanto das superfícies dos materiais como dos microrganismos, após a fase de adesão e de formação do biofilme dual.