Busca avançada
Ano de início
Entree

Identificação de variações estruturais (CNVs) e modificações epigenéticas em pacientes com acidente vascular cerebral

Processo: 13/24932-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de abril de 2014
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Iscia Teresinha Lopes Cendes
Beneficiário:Amanda Donatti
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/07559-3 - Instituto Brasileiro de Neurociência e Neurotecnologia - BRAINN, AP.CEPID
Assunto(s):Neurogenética   Epigênese genética   Genética molecular

Resumo

O acidente vascular cerebral (AVC) é uma desordem heterogênea multifatorial, responsável pela interrupção do fluxo sanguíneo para o cérebro. O AVC pode ser classificado em dois tipos principais: hemorrágico e isquêmico.Estudos de gêmeos e famílias têm demonstrado a presença de fatores genéticos no AVC. Dois grandes estudos de meta-análise têm revelado 19 genes associados ao AVC isquêmico. Contudo, variantes funcionais ainda não foram identificadas em 8 desses genes candidatos (HDAC9, CDKN2B-AS1, PDE4D, PITX2, ZFHX3, ANGPT1, AGTRL1 e ALOX5AP). Em ensaios in vivo, foi possível observar que padrões alterados de metilações no DNA podem influenciar o desenvolvimento de AVC ou modificações nas proteínas envolvidas nesse processo. Essas metilações podem ser responsáveis pelo aumento do risco de AVC. Estudos para AVC hemorrágico vêm demonstrando forte influência genética em sua ocorrência e recuperação, porém, ainda são menos recorrentes, devido à menor frequência desse evento na população e à sua maior taxa de mortalidade. Variações no número de cópias genômicas (CNVs) são as mutações mais comuns no genoma humano e têm sido apontadas como as principais alterações na expressão gênica. Estudos têm demonstrado a relação entre alguns genes e CNVs encontrados em pacientes com AVC isquêmico e hemorrágico. Os objetivos desse trabalho são:identificar variantes epigenéticas na região promotora de genes candidatos de pacientes com Acidente Vascular Cerebral isquêmico e identificar variações nos números de cópias (CNVs) em pacientes com Acidente Vascular Cerebral hemorrágico. Para isso, foram utilizadas amostras de DNA de pacientes e indivíduos controles provenientes de Joinville/SC. Através de análises nos softwares EMBOSS CpGPlot e MethPrimer, foram identificadas regiões potencialmente metiláveis (CpGs) nos promotores de apenas 3 genes para AVC isquêmico (ANGPT1, CDKN2B-AS1 e HDAC9). Esses genes terão as regiões promotoras analisadas através da técnica de PCR por metilação específica (MS-PCR). Para análise de CNVs em pacientes com AVC hemorrágico, foram realizados chips de microarranjos de DNA baseados em SNPs (Genome-WideHuman SNP Array 6.0; Affymetrix Inc.) e os resultados foram analisados no software Genotyping Console® (Affymetrix Inc.). Até o momento foram analisadas 35 amostras controles e 31 amostras de pacientes, de modo que regiões de ganho e perda genômica de interesse foram identificadas. Os principais genes encontrados nessas regiões foram: ANXA8, CYP2E1, DEFB4B, DEFB103B, HGSNAT, NOMO1, PRODH e ZNF92. Esses genes são relacionados com anticoagulação, trombose, edema e processos e regulação de fluxo sanguíneo. Análises adicionais são necessárias para melhor compreensão das influências dessas CNVs e identificação de genes potencialmente envolvidos nos mecanismos de AVC.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
DONATTI, Amanda. Identificação de variações estruturais (CNVs) e modificações epigenéticas em pacientes com acidente vascular cerebral. 2016. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.