Busca avançada
Ano de início
Entree

Colonização nos sítios de ocorrência, a Genética das Populações e a História Natural de Partamona ailyae Camargo, 1980 (Hymenoptera: Apidae: Meliponini).

Processo: 13/26905-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de abril de 2014
Vigência (Término): 31 de março de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Animal
Pesquisador responsável:Marco Antonio Del Lama
Beneficiário:Pedro Filipe Menezes Cardoso
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Genética populacional   Estruturas genéticas   Colonização

Resumo

A redução e a fragmentação do habitat refletem negativamente sobre o tamanho das populações de abelhas sem ferrão, gerando a perda de variabilidade genética. De fato, o tamanho efetivo das populações de himenópteros pode ser reduzido em razão de características de sua própria biologia, tais como a haplodiploidia, a determinação do sexo (loco csd), a eusocialidade, a monandria e o comportamento filopátrico da fêmea quando da reprodução das colônias por enxameagem. Por estas razões, quando comparados aos organismos diplodiplóides, os himenópteros têm apresentado níveis mais baixos de variação genética. O organismo escolhido para estudo de caso neste projeto, a espécie Partamona ailyae, faz parte do clado cupira, uma abelha sem ferrão que ocorre em matas úmidas do sudoeste da Amazônia e regiões xéricas do Piauí e do centro-oeste do Brasil. O hábito de nidificação da espécie muda de acordo com a área de ocorrência. Apesar da importância ecológica das abelhas sem ferrão, poucos são os estudos sobre a biologia e a genética das populações destas abelhas. Buscando reduzir essa lacuna, este trabalho tem como objetivo analisar como se dá o processo de colonização nos diversos sítios de ocorrência de P. ailyae, bem como estimar o nível de diferenciação genética das populações de ambientes úmidos (Floresta Amazônica) e xéricos (cerrado e caatinga). Para tal, fêmeas adultas serão analisadas para genes mitocondriais de forma a estimar o número de linhagens de fêmeas que originaram a população residente nas áreas estudadas. Serão também investigados alguns aspectos da ecologia de P. ailyae, tais como os substratos utilizados para nidificação e quais as espécies de térmitas hospedeiras. Trabalhos desta natureza são relevantes para se avaliar os riscos das populações de abelhas frente às mudanças ambientais, contribuindo para o delineamento de estratégias conservacionistas.