Busca avançada
Ano de início
Entree

Braquiópodes cisuralianos do Grupo Itararé (formações Mafra e Taciba), Bacia do Paraná, Brasil, e seu significado geológico

Processo: 13/25317-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2014
Vigência (Término): 14 de setembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geologia
Pesquisador responsável:Marcello Guimarães Simões
Beneficiário:Jacqueline Peixoto Neves
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Tafonomia   Permiano   Bacia do Paraná   Brachiopoda   Estratigrafia   Paleoecologia

Resumo

O registro fóssil de macroinvertebrados marinhos, do Paleozoico superior, das bacias gondwânicas, da América do Sul, especialmente do Brasil e da Argentina, é tipicamente caracterizado por biotas dominadas por braquiópodes, moluscos bivalves e gastrópodes, equinodermatas, dentre outros grupos. Os braquiópodes da sucessão permiana da Bacia do Paraná, embora apresentem distribuição vertical e horizontal restrita apresentam grande potencial para estudos bioestratigráficos (biocorrelação), paleobiogeográficos e paleoecológicos. Entretanto, há mais de seis décadas, desde a descoberta das assembleias marinhas do Grupo Itararé, nas regiões de Teixeira Soares, PR, e Mafra, SC, o conhecimento dos braquiópodes está restrito à listas taxonômicas. Estudos recentes das assembleias de bivalves da Formação Taciba na região de Teixeira Soares, PR, e Mafra, SC, demonstraram o grande potencial de correlação com faunas do Gondwana da Argentina. Há importantes questões do ponto de vista geológico que os braquiópodes do Grupo Itararé podem respondem, como: estas faunas evoluíram conjuntamente com aquelas das bacias do Paleozoico superior da Argentina? Se sim, com que bacia neopaleozoica sul-americana a sucessão faunística do Grupo Itararé apresenta maior afinidade? Ou será que as condições paleoclimáticas e paleogeográficas eram tão distintas a ponto de não haver afinidade faunística entre elas? Por que algumas assembleias coevas são dominadas por braquiópodes (Mafra) e outras por moluscos bivalves (Teixeira Soares)? Estas distinções refletem diferenças de idades, afinidades paleoecológicas e paleobiogeográficas? Neste contexto, o foco da presente pesquisa é o estudo sistemático, paleoecológico, bioestratigráfico e estratigráfico (paleoambiental) das faunas de braquiópodes do Grupo Itararé, formações Mafra e Taciba, com a finalidade como ponto de partir para o entendimento de questões paleogeográficas, paleoclimáticas e bioestratigráficas dos depósitos gondwânicos da Bacia do Paraná, especialmente os associados aos eventos de deglaciação registrados no Grupo Itararé. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CESAR TABOADA, ARTURO; NEVES, JACQUELINE PEIXOTO; WEINSCHUTZ, LUIZ CARLOS; ALEJANDRA PAGANI, MARIA; SIMOES, MARCELLO GUIMARAES. Eurydesma-Lyonia fauna (Early Permian) from the Itarare group, Parana Basin (Brazil): A paleobiogeographic W-E trans-Gondwanan marine connection. PALAEOGEOGRAPHY PALAEOCLIMATOLOGY PALAEOECOLOGY, v. 449, p. 431-454, MAY 1 2016. Citações Web of Science: 4.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.