Busca avançada
Ano de início
Entree

Teste do indutor de resistência ASM como alternativa de controle da clorose do tomateiro causada pelo Tomato chlorosis vírus (ToCV)e possíveis efeitos sobre o vetor Bemisia tabaci Biótipo B

Processo: 14/05828-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2014
Vigência (Término): 31 de março de 2015
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitossanidade
Pesquisador responsável:Jorge Alberto Marques Rezende
Beneficiário:Michel Rudan Isaias Vargas
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:12/51771-4 - Begomovírus e Crinivirus em Solanaceas: epidemiologia molecular e estratégias, AP.TEM
Assunto(s):Vírus de plantas

Resumo

A cultura do tomateiro (Solanum lycopersicum L.) é uma importante fonte de renda ao país com 64,88 mil hectares e uma produção 4.091.825 toneladas de frutos, o que coloca o país como o 8º maior produtor de tomate do mundo. O tomateiro possui uma grande gama de patógenos que podem comprometer a produtividade quantitativa e qualitativamente. Dentre as moléstias destacam-se as viroses, que desproveem de técnicas efetivas e duradouras de controle, ou são onerosas de serem aplicadas. Em 2006 foi detectada uma nova virose na cultura do tomateiro no Brasil, causada pelo Tomato chlorosis virus (ToCV), que atualmente encontra-se presente em diversas regiões do país e do mundo que cultivam essa hortaliça. Pertencente ao gênero Crinivirus, o ToCV coloniza o floema da planta e induz uma clorose internerval das folhas basais, como principal sintoma em tomateiro. O vírus é transmitido por Bemisia tabaci biótipo B, com relação do tipo semi-persistente. Até o momento não são conhecidas alternativas de controle da doença, exceto a eliminação de fontes de inóculo e o uso de inseticidas para o controle do vetor.Atualmente o princípio de controle baseado na imunização destina parte de seus esforços na indução de resistência de plantas a patógenos. Além de ser uma alternativa menos danosa ao ambiente, vem demonstrando importantes e positivos resultados de sua eficiência. Diante desses fatos o objetivo deste trabalho é avaliar a eficácia do indutor de resistência acibenzolar-S-methyl (ASM) no controle da clorose do tomateiro causada pelo ToCV. Adicionalmente pretende-se verificar o efeito do ASM no comportamento do vetor Bemisia tabaci biótipo B.