Busca avançada
Ano de início
Entree

AVALIAÇÃO IN VIVO E IN VITRO DO POTENCIAL QUIMIOPREVENTIVO DO ÓLEO-RESINA DE Copaifera reticulata Ducke: PARÂMETROS GENOTÓXICO, BIOQUÍMICO E IMUNO-HISTOQUÍMICO

Processo: 13/19488-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2014
Vigência (Término): 30 de abril de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacognosia
Pesquisador responsável:Jairo Kenupp Bastos
Beneficiário:Juliana Marques Senedese Dias
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/13630-7 - Validação química e farmacológica de extratos e princípios ativos de espécies de Copaifera, AP.TEM
Assunto(s):Copaifera   Transformação celular neoplásica   Inflamação   Imuno-histoquímica

Resumo

O interesse nas pesquisas em plantas medicinais tem crescido nos últimos anos, principalmente para o tratamento de doenças que apresentam grande impacto social, como é o caso do câncer. Desde longa data se reconhece que a inflamação é um fator de risco para determinadas neoplasias. A inflamação por si só não causa câncer; as mutações e as alterações epigenéticas, decorrentes da exposição ambiental ou de alterações imunitárias, concorrem para o processo carcinogênico. Vários mediadores pró-inflamatórios, tais como as prostaglandinas, o óxido nítrico (NO) desregulam as cascatas de sinalização nas células, o que contribui para o desenvolvimento de neoplasias. Juntamente com esses mediadores, os fator de transcrição nuclear kappa B (NF-kB)são persistentemente ativos em doenças como câncer, artrite, inflamação crônica, e outras.As espécies do gênero Copaifera são conhecidas popularmente como "copaíba", "capaiva" ou "paú-de-óleo", E são encontradas em campos e pastos no norte e nordeste do Brasil. O óleo-resina de copaíba é amplamente conhecido no Brasil por sua atividade terapêutica baseada no uso popular, tendo sido destacada a atividade cicatrizante e anti-inflamatória. Entre as diversas espécies do gênero, a literatura relata a atividade anti-inflamatória do óleo-resina da espécie C. reticulata Ducke Com isso, correlacionando o fato do processo inflamatório estar envolvidono desenvolvimento de neoplasias, o presente trabalho propõe avaliar o potencial quimiopreventivo do óleo-resina de C. reticulata Ducke em ratos Wistar, bem como identificação de vias moleculares moduladas por este produto natural. Para tanto, será analisado o possível efeito genotóxico por meio do ensaio cometa em células do cólon. O potencial quimiopreventivo do óleo-resina sobre a carcinogênese de cólon induzida pelo carcinógeno 1,2-dimetilhidrazina será avaliado utilizando-se o ensaio cometa e o teste de focos de criptas aberrantes. Ainda será estudado a imunomarcação da ciclo-oxigenase-2 e NF-kB usando análise imuno-histoquímica em cólon. A atividade anti-inflamatória também será avaliada a ação do óleo-resina além dos seus compostos majoritários, por meio da quantificação de NO e protaglandina E2 em cultura de macrófagos da linhagem RAW 264.7, NP .A realização deste projeto contribuirá com o melhor conhecimento das atividades biológicas bem como os mecanismos de ação do óleo-resina de Copaifera, o qual é de grande importância etnofarmacológica

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
SENEDESE, JULIANA MARQUES; RINALDI-NETO, FRANCISCO; FURTADO, RICARDO ANDRADE; NICOLLELA, HELOIZA DINIZ; RIBEIRO DE SOUZA, LARISSA DANIELA; RIBEIRO, ARTHUR BARCELOS; FERREIRA, LUCAS SOUZA; MAGALHAES, GEORGIA MODE; CARLOS, IRACILDA ZEPPONE; MANGABEIRA DA SILVA, JONAS JOAQUIM; TAVARES, DENISE CRISPIM; BASTOS, JAIRO KENUPP. Chemopreventive role of Copaifera reticulata Ducke oleoresin in colon carcinogenesis. BIOMEDICINE & PHARMACOTHERAPY, v. 111, p. 331-337, MAR 2019. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.