Busca avançada
Ano de início
Entree

Biorremediação de azo corantes têxteis empregando tratamentos microbiológicos e processos oxidativos avançados

Processo: 13/25535-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2014
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Carlos Renato Corso
Beneficiário:Érica Janaina Rodrigues de Almeida
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):16/22464-7 - Estudo da degradação de corantes têxteis por processos oxidativos de ozonização, fotocatálise e ozonização fotocatalítica associado a tratamentos microbiológicos, BE.EP.DR
Assunto(s):Biodegradação   Processos oxidativos avançados

Resumo

A indústria têxtil no Brasil possui lugar de destaque, pois apresenta expressivo valor econômico-social, mas está entre as principais indústrias geradoras de efluentes com alto potencial poluidor. Esses efluentes contém elevada carga orgânica, cor acentuada e compostos químicos tóxicos ao homem e ao meio ambiente. Entre esses compostos químicos temos os corantes sintéticos que resistem a diferentes tipos de tratamentos e que quando presentes no ambiente possuem alta persistência. E como as leis ambientais estão se tornando cada vez mais severas, tecnologias para o de tratamento de efluentes coloridos é de extrema importância. Entre esses sistemas temos os tratamentos microbiológicos e os processos oxidativos avançados, que são capazes de transformar substâncias persistentes e de difícil degradação, em substâncias ecologicamente inofensivas e biologicamente degradáveis. Na busca por tratamentos alternativos, o presente trabalho se propõe estudar os tratamentos de descoloração biológicos e oxidativos avançados dos azo corantes têxteis Acid Blue 161 e Procion Red MX-5B em solução simples e associados em solução binária. Os tratamentos microbiológicos de biossorção e biodegradação serão realizados a partir de um consórcio microbiano formado pelos fungos filamentosos Aspergillus niger e Aspergillus terreus. Enquanto os processos oxidativos avançados serão realizados via degradação eletroquímica e fotoeletroquímica. O estudo ainda pretende associar os tratamentos de descoloração visando a completa mineralização dos corantes, onde será realizado pré-tratamentos oxidativos, e posteriormente os tratamentos microbiológicos. A toxicidade das soluções será analisada antes e após os tratamentos, onde será avaliada a toxicidade aguda utilizando um sistema teste vegetal composto por sementes de Lactuca sativa.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DE ALMEIDA, E. J. R.; DE ANDRADE, A. R.; CORSO, C. R. Evaluation of the Acid Blue 161 dye degradation through electrochemical oxidation combined with microbiological systems. INTERNATIONAL JOURNAL OF ENVIRONMENTAL SCIENCE AND TECHNOLOGY, v. 16, n. 12, p. 8185-8196, DEC 2019. Citações Web of Science: 0.
RODRIGUES DE ALMEIDA, ERICA JANAINA; CHRISTOFOLETTI MAZZEO, DANIA ELISA; DEROLDO SOMMAGGIO, LAIS ROBERTA; MARIN-MORALES, MARIA APARECIDA; DE ANDRADE, ADALGISA RODRIGUES; CORSO, CARLOS RENATO. Azo dyes degradation and mutagenicity evaluation with a combination of microbiological and oxidative discoloration treatments. ECOTOXICOLOGY AND ENVIRONMENTAL SAFETY, v. 183, NOV 15 2019. Citações Web of Science: 0.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
ALMEIDA, Érica Janaina Rodrigues de. Avaliação da remoção de cor e toxicidade de azo corantes pelo emprego de tratamentos microbiológicos, adsortivos e processos oxidativos avançados. 2018. 215 f. Tese de Doutorado - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Instituto de Biociências (Campus de Rio Claro)..

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.