Busca avançada
Ano de início
Entree

Distribuição de paracoccina na superfície de Paracoccidioides brasiliensis e interação com receptores de células da imunidade inata: papel na fase aguda da paracoccidioidomicose

Processo: 14/05359-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2014
Vigência (Término): 31 de maio de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biologia Geral
Pesquisador responsável:Maria Cristina Roque Antunes Barreira
Beneficiário:Aline Ferreira de Oliveira Pereira
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/04088-0 - Lectinas de patógenos, AP.TEM
Assunto(s):Paracoccidioides brasiliensis   Imunidade inata   Lectinas

Resumo

Nosso grupo vem trabalhando sistematicamente na caracterização física e biológica de uma lectina da superfície do fungo P. brasiliensis, a paracoccina, que tem mostrado desempenhar papel importante na biologia e na patogenicidade do fungo. Foi demonstrado que paracoccina está presente na superfície de leveduras, com predominância nas regiões de brotamento (Coltri et al., 2006), e que essa lectina também apresenta atividade de N-acetilglicosaminidase, sendo importante na biogênese da parede celular de P. brasiliensis (dos Reis Almeida et al., 2009 e 2011). Esses fatos indicam um relevante papel da lectina no crescimento fúngico, idéia que já havia sido sugerida pela observação de que a adição de anticorpos anti-paracoccina ao meio de cultivo de P. brasiliensis inibe o seu crescimento (Ganiko et al., 2007).Além disso, paracoccina liga-se à laminina de maneira dose-dependente, sendo inibida na presença de açúcar específico, propriedade que pode contribuir para a adesão do fungo à matriz extracelular e a invasão de tecidos do hospedeiro. A habilidade de um microorganismo em aderir e invadir é reconhecida como um fator importante de sua patogenicidade. Paracoccina também induz macrófagos a produzirem TNF-±e altas concentrações de NO (Coltri et al., 2006). O projeto aqui apresentado encontra fundamento em estudos feitos em nosso laboratório não apenas com paracoccina, como também com outras lectinas, de plantas ou de patógenos, que desempenham atividade imunomoduladora desencadeada pelo reconhecimento de glicanas de receptores de células da imunidade inata envolvidos em sinalização. Nesse contexto, Toledo e colaboradores (2009) demonstraram que a lectina vegetal Artin M induz a produção de citocinas por neutrófilos, desencadeada pelo reconhecimento de CXCR2 e TLR2, além de ser capaz de modular a expressão de TLR2 na superfície celular. Além disso, Artin M atua sobre macrófagos e células dendríticas, induzindo a produção de IL-12 a partir de sua interação com glicanas de TLR2 (Coltri et al., 2008). A atividade lectínica do complexo MIC1/4 Toxoplasma gondii também vem sendo caracterizada por nosso grupo de pesquisa, tendo sido identificada como responsável pela indução de produção de IL-12 por células esplênicas murinas (Lourenço e colaboradores, 2006). Assim esse conjunto de dados da literatura e de observações do próprio grupo, justifica o investimento de esforços na caracterização da paracoccina, de forma a avaliar sua expressão em diferentes formas fúngicas e sua interação com receptores de células da imunidade inata,incluindo as repercussões biológicas dessa interação.

Publicações científicas (4)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MILANEZ, GUILHERME P.; WERLE, CATIERINE H.; AMORIM, MARIENE R.; RIBEIRO, RAFAEL A.; TIBO, LUIZ H. S.; ROQUE-BARREIRA, MARIA CRISTINA; OLIVEIRA, ALINE F.; BROCCHI, MARCELO. HU-Lacking Mutants of Salmonella enterica Enteritidis Are Highly Attenuated and Can Induce Protection in Murine Model of Infection. FRONTIERS IN MICROBIOLOGY, v. 9, AUG 22 2018. Citações Web of Science: 0.
FERNANDES, FABRICIO F.; OLIVEIRA, ALINE F.; LANDGRAF, TAISE N.; CUNHA, CRISTINA; CARVALHO, AGOSTINHO; VENDRUSCOLO, PATRICIA E.; GONCALES, RELBER A.; ALMEIDA, FAUSTO; DA SILVA, THIAGO A.; RODRIGUES, FERNANDO; ROQUE-BARREIRA, MARIA CRISTINA. Impact of Paracoccin Gene Silencing on Paracoccidioides brasiliensis Virulence. MBIO, v. 8, n. 4 JUL-AUG 2017. Citações Web of Science: 4.
ASSIS-MARQUES, MARIANA APRIGIO; OLIVEIRA, ALINE FERREIRA; RUAS, LUCIANA PEREIRA; DOS REIS, THAILA FERNANDA; ROQUE-BARREIRA, MARIA CRISTINA; RODRIGUES COELHO, PAULO SERGIO. Saccharomyces cerevisiae Expressing Gp43 Protects Mice against Paracoccidioides brasiliensis Infection. PLoS One, v. 10, n. 3 MAR 19 2015. Citações Web of Science: 13.
PAIVA ALEGRE-MALLER, ANA CLAUDIA; MENDONCA, FLAVIA COSTA; DA SILVA, THIAGO APARECIDO; OLIVEIRA, ALINE FERREIRA; FREITAS, MATEUS SILVEIRA; HANNA, EBERT SEIXAS; ALMEIDA, IGOR C.; GAY, NICHOLAS J.; ROQUE-BARREIRA, MARIA CRISTINA. Therapeutic Administration of Recombinant Paracoccin Confers Protection against Paracoccidioides brasiliensis Infection: Involvement of TLRs. PLoS Neglected Tropical Diseases, v. 8, n. 12 DEC 2014. Citações Web of Science: 19.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.