Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do impacto das infecções relacionadas à assistência à saúde em pacientes egressos do Hospital das Clínicas da Faculdade de medicina de Botucatu

Processo: 14/04498-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2014
Vigência (Término): 31 de maio de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Epidemiologia
Pesquisador responsável:Carlos Magno Castelo Branco Fortaleza
Beneficiário:Kasys Meira Gervatauskas
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Qualidade de vida

Resumo

A infecção hospitalar (IH) é definida como aquela adquirida após a internação do paciente e que se manifesta durante a internação ou mesmo após a alta quando puder ser relacionada com a internação ou procedimentos hospitalares. Recentemente, o conceito foi expandido para abranger infecções decorrentes de assistência prestada em ambiente não hospitalar (Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde, IRAS). As IH/IRAS são um grave problema de saúde pública em todo o mundo, com impacto maior nos países em desenvolvimento. A despeito de sua inclusão na agenda do Minstério da Saúde há quase três décadas, ainda hoje há poucos dados sobre a magnitude de IH/IRAS no Brasil. No que se refere ao impacto dessas condições, os desfechos estudados são, em geral, mortalidade, prolongamento de estadias e custos com a internação. Há também análises sobre o potencial de prevenção das infecções. No entanto, faltam estudos que busquem estimar a carga social das suas sequelas. Recentemente, um estudo conduzido nos Estados Unidos demonstrou que egressos de com diagnóstico de IH/IRAS apresentavam risco aumentado de reinternação. A identificação de tendências como essa no Brasil é de grande importância para o Sistema Único de Saúde. Obviamente, devido ao complexo sistema de referencia/contra-referência, assim como ao trânsito de pessoas entre serviços de assistência primária (ex.: Unidades Básicas de Saúde, Programa de Saúde da Família), secundária e terciária, a abordagem do impacto de IH/IRAS pregressas sobre o sistema de saúde não pode se restringir aos dados de reinternação no hospital de origem. Nosso projeto tem o objetivo de identificar o impacto de IH/IRAS no pós-alta de pacientes internados no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (450 leitos). Seguiremos uma coorte prospectiva pareada de 136 sujeitos com diagnóstico de IH/IRAS durante a internação e 136 controles sem esse diagnóstico, por um total de 12 semanas após a alta. Desfechos de interesse serão a reinternação, a quantidade de consultas ambulatoriais, o grau de autonomia e a necessidade de afastamento do trabalho (ou das ocupações rotineiras), o impacto sobre a rotina da família e sobre a qualidade de vida. Entrevistas semanais serão realizadas por telefone, utilizando um questionário padronizado para identificar os fatores citados acima. Para os sujeitos residentes em Botucatu, será aplicado questionário validado transculturalmente de avaliação de qualidade de vida (SF36) na quarta e oitava semanas pós-alta. Os resultados serão analisados utilizando modelos multivariados de regressão logística e/ou análise de sobrevida, quando indicados.