Busca avançada
Ano de início
Entree

Mecanismos de S-nitrosação de proteínas: cinética, mecanismo e implicações biológicas

Processo: 14/09518-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2014
Vigência (Término): 15 de julho de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biofísica - Biofísica Molecular
Pesquisador responsável:Ohara Augusto
Beneficiário:Daniela Ramos Truzzi
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/07937-8 - Redoxoma, AP.CEPID
Bolsa(s) vinculada(s):17/02728-2 - Dinitrosilos complexos de ferro biomiméticos: formação e capacidade de S-nitrosação, BE.EP.PD
Assunto(s):Transdução de sinais

Resumo

Espécies reativas de oxigênio e nitrogênio, além de estarem envolvidas em danos de células e tecidos, são conhecidas por participarem de mecanismos de sinalização. Parte das respostas de sinalização redox ocorre por meio de modificações reversíveis nos resíduos de cisteína das proteínas. Por exemplo, o peróxido de hidrogênio reage diretamente com tióis de cisteína em proteínas específicas formando derivados de ácido sulfênico e estes processos têm sido extensivamente estudados nos últimos anos. Em contraste, o óxido nítrico não reage diretamente com tióis de proteínas formando proteínas nitrosadas, um processo conhecido como S-nitrosação. Entretanto, recentemente um grande número trabalhos tem reportado a ocorrência de S-nitrosação em células e tecidos. Como esperado, propõem-se que a reação de S-nitrosação esteja associada a uma série de processos fisiológicos, tais como homeostase vascular, autofagia e resposta imune. Da mesma forma, desregulação da S-nitrosação em proteínas tem sido associada a doenças como desordens neurodegenerativas, vários canceres e diabetes. Apesar disto, o mecanismo pelo qual proteínas S-nitrosadas são produzidas in vivo permanece em aberto. Até recentemente, o mecanismo proposto envolvia reações de trans-nitrosação de tióis de baixo peso molecular (ex. S-nitrosoglutationa e S-nitrosocisteína) ou reações redox entre tióis, metaloproteínas e metabólitos do óxido nítrico (ex. trióxido de dinitrogênio e dióxido de nitrogênio). Apesar de todos estes mecanismos poderem operar in vivo, cada um deles apresenta condições cinéticas que são difíceis serem conciliadas com as condições fisiológicas e patológicas de concentração de óxido nítrico e seus metabólicos e também com a seletividade esperada para mecanismos de sinalização. Uma hipótese atraente a ser explorada é a possibilidade da reação de S-nitrosação de proteínas ocorrer por meio de catalise de dinitrosilos complexos de ferro. Estes complexos são amplamente conhecidos na literatura, uma vez que são detectados por RPE em células e tecidos em condições de superprodução de óxido nítrico. No entanto, a natureza da estrutura química destes complexos permanece desconhecida e suas propriedades bioquímicas têm sido pouco exploradas. Neste contexto, o nosso objetivo é investigar a cinética e os mecanismo de S-nitrosação de peroxiredoxinas (Prxs) e outras tióis proteínas por dinitrosilos complexos de ferro de alto e baixo peso molecular e comparar com nitrosotióis de baixo peso molecular. As Prxs são alvos interessantes devido ao fato de reagirem rapidamente com peróxido de hidrogênio e terem sido relacionadas a transnitrosação de outras tióis proteínas. Em paralelo, nós pretendemos projetar e testar abordagens para caracterizar os dinitrosilos complexos de ferro de alto peso molecular detectados em células e tecidos em condições de superprodução de óxido nítrico.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.