Busca avançada
Ano de início
Entree

Complexos de metais de transição multifuncionais para o tratamento e diagnóstico da Doença de Alzheimer

Processo: 14/07935-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de julho de 2014
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Inorgânica
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Rose Maria Carlos
Beneficiário:Débora Eduarda Soares Silva
Instituição-sede: Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia (CCET). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Fotoquímica inorgânica   Metais de transição   Doença de Alzheimer   Acetilcolinesterase   Peptídeos beta-amiloides

Resumo

Neste projeto pretendemos desenvolver compostos de metais de transição luminescentes do tipo cis-[Ru(a-diimina)2(Apy)2]2+, onde Apy= 4-aminopiridina e 3,4-aminopiridina para atuarem tanto no diagnóstico quanto no tratamento da Doença de Alzheimer (DA). A DA é uma desordem neurodegenerativa progressiva e lenta que danifica principalmente a memória e a função cognitiva em idosos. A disfunção neuronal é caracterizada pelo acúmulo do peptídeo b-amilóide no cérebro que leva à sua agregação em oligômeros e fibrilas insolúveis, resultando na formação de placas senis. Uma vez que os mecanismos detalhados que fundamentam a patogênese da DA ainda não são claros, os medicamentos disponíveis atuam no sistema colinérgico da doença pela inibição da enzima acetilcolinesterase. Estes medicamentos aliviam os sintomas, mas não curam a doença. Os compostos propostos neste projeto apresentam as características necessárias para atuarem tanto no diagnóstico quanto no tratamento da DA. A presença de um fragmento planar e hidrofóbico, {Ru(phen)}2+ e carga total positiva, são requisitos necessários para interação do complexo com o peptídeo b-amilóide. As alterações nos movimentos rotacionais e conformacionais durante o processo de agregação do b-amiloide repercutirá nas propriedades luminescentes dos complexos viabilizando o mapeamento do processo de agregação e desagregação deste peptídeo. Em adição às aminopiridinas, atuam nas células neuronais protegendo-as tanto dos efeitos excitatórios quanto da hipóxia e atuando em diferentes alvos intracelulares incluindo a inibição da enzima AChE e estresse oxidativo, e disfunção de íons Ca2+. Esperamos que a coordenação da Apy ao fragmento {Ru(phen)2}2+ potencialize o efeito terapêutico das Apy. O potencial terapêutico dos complexos propostos no avanço da neurodegeneração será investigado pela alteração da resposta luminescente do complexo com a neurotoxicidade induzida pelo peptídeo b-amilóide, ou seja, pela capacidade inibidora do complexo frente à formação do peptídeo b-amiloide e/ou pela inibição da agregação do b-amiloide. A atividade inibidora enzimática dos complexos frente à enzima acetilcolinesterase e no estresse oxidativo causado pelas espécies reativas do oxigênio também serão investigados. Os complexos propostos são convenientes para estes propósitos devido à simplicidade de síntese e à estabilidade térmica e luminescência sensível a alterações do meio. Espera-se assim, que esta pesquisa abra novas possibilidades para o controle ótico da atividade de grupos selecionados para estudos neurológicos. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
SILVA, DEBORA E. S.; CALI, MARIANA P.; PAZIN, WALLANCE M.; CARLOS-LIMA, ESTEVAO; SALLES TREVISAN, MARIA TERESA; VENANCIO, TIAGO; ARCISIO-MIRANDA, MANOEL; ITO, AMANDO S.; CARLOS, ROSE M. Luminescent Ru(II) Phenanthroline Complexes as a Probe for Real-Time Imaging of A beta Self-Aggregation and Therapeutic Applications in Alzheimer's Disease. Journal of Medicinal Chemistry, v. 59, n. 19, p. 9215-9227, OCT 13 2016. Citações Web of Science: 7.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.