Busca avançada
Ano de início
Entree

Dose-resposta da pressão de oclusão e intensidade do exercício sobre as adaptações morfológicas e neurais a um programa de treinamento de força

Processo: 14/05320-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de julho de 2014
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Pesquisador responsável:Hamilton Augusto Roschel da Silva
Beneficiário:Manoel Emílio Lixandrão
Instituição-sede: Escola de Educação Física e Esporte (EEFE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Hipertrofia   Treinamento   Treinamento de força

Resumo

O treinamento de força de baixa intensidade (20% a 50% de uma repetição máxima (1-RM)), associado à restrição de fluxo sanguíneo (TFO) é um potente estímulo no aumento da força e massa muscular esquelética. Sugere-se que a restrição de fluxo sanguíneo durante o TFO, aumente o recrutamento de unidades motoras rápidas, eleve o estresse metabólico e estimule a atividade das vias de sinalização intracelulares responsáveis pela hipertrofia muscular. Especula-se, que a manipulação das variáveis do TFO, em particular, a pressão de oclusão e/ou intensidade de exercício, seja capaz de modular positivamente os mecanismos supracitados, potencializando dessa maneira, as respostas adaptativas. Entretanto, até o presente momento, devido à existência de uma grande variabilidade na combinação da pressão de oclusão e intensidade de exercício entre os estudos existentes, é impossível afirmar, qual a melhor relação dessas variáveis dentre os protocolos de TFO. Assim, o presente estudo tem como objetivo, observar as adaptações crônicas (i.e., morfológicas e neurais), decorrentes de protocolos de TFO compostos de diferentes intensidades e pressões de oclusão. Para tal, o desenho experimental será composto de quatro grupos com variação da intensidade e/ou pressão de oclusão, de modo que, cada indivíduo realize dois dos quatro protocolos (20% de 1-RM e 50% da pressão de oclusão (TF20/50); 20% de 1-RM e 80% da pressão de oclusão (TF20/80); 40% de 1-RM e 50% da pressão de oclusão (TF40/50) e 40% de 1-RM e 80% da pressão de oclusão (TF40/80)). Em conclusão, tem-se como hipótese, que o aumento da pressão de oclusão e/ou intensidade do exercício potencializem as respostas adaptativas, resultando assim, em maiores adaptações morfológicas e neurais para o grupo com maior pressão de oclusão e intensidade de exercício (i.e., TF40/80), em comparação ao grupo de menor pressão de oclusão e intensidade (i.e., TF20/50).

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
LIXANDRAO, MANOEL E.; UGRINOWITSCH, CARLOS; LAURENTINO, GILBERTO; LIBARDI, CLEITON A.; AIHARA, ANDRE Y.; CARDOSO, FABIANO N.; TRICOLI, VALMOR; ROSCHEL, HAMILTON. Effects of exercise intensity and occlusion pressure after 12 weeks of resistance training with blood-flow restriction. EUROPEAN JOURNAL OF APPLIED PHYSIOLOGY, v. 115, n. 12, p. 2471-2480, DEC 2015. Citações Web of Science: 58.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.