Busca avançada
Ano de início
Entree

Podem as alterações de fala de crianças com fissura labiopalatina serem justificadas pelas habilidades auditivas centrais?

Processo: 14/02610-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2014
Vigência (Término): 31 de maio de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fonoaudiologia
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Mariza Ribeiro Feniman
Beneficiário:Jaqueline Lourenço Cerom
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB). Universidade de São Paulo (USP). Bauru , SP, Brasil
Assunto(s):Fenda labial   Audição   Fala   Perda auditiva

Resumo

Os sujeitos com fissura labiopalatina (FLP) geralmente apresentam alterações fonoaudiológicas com manifestações na voz, fala, linguagem, deglutição, respiração, audição. No que se refere à audição, tendem a apresentar quadros recorrentes de otite média. A otite média é umas das causas mais comuns de hipoacusia em crianças com FLP com até 10 anos. Esta perda aditiva geralmente é do tipo condutiva e bilateral. Sabe-se que a audição normal é essencial para a aquisição da linguagem oral e efetiva comunicação verbal e que qualquer déficit do sistema auditivo, congênito ou adquirido, afeta na transmissão e/o percepção do som. Qualquer perda auditiva oferece privação sensorial, podendo assim, levar a alterações em diferentes habilidades centrais. São crescentes os estudos científicos relacionados às habilidades auditivas em sujeitos com FLP, contudo, existe uma escassez de trabalhos quando relacionados às habilidades auditivas centrais e as alterações de fala, tais como as articulações compensatórias e disfunção velofaríngea. Assim, hipotetizou-se de que as crianças com FLP poderiam não estar percebendo corretamente os fonemas, substituindo-os por articulações articulatórias, devido a alterações nas habilidades auditivas centrais. Este trabalho tem por objetivo verificar a associação entre as habilidades auditivas centrais e DVF e AC em sujeitos com fissura labiopalatina operada. Nesta pesquisa deverá ser realizado um estudo prospectivo de aproximadamente 40 pacientes, matriculados no Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo (HRAC-USP), com fissura labiopalatina operada. Serão averiguados inicialmente em prontuário dados quanto à disfunção velofaríngea e articulações compensatórias a fim de compor a amostra do estudo. Posteriormente os sujeitos serão submetidos a avaliação audiológica periférica e a testes do processamento auditivo. Será analisado se as alterações de fala destas crianças com FLP podem ser justificadas pelas alterações das habilidades auditivas centrais. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
CEROM, Jaqueline Lourenço. Podem os distúrbios de fala de crianças com fissura labiopalatina serem justificadas pelas alterações das habilidades auditivas centrais?. 2016. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Odontologia de Bauru Bauru.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.