Busca avançada
Ano de início
Entree

Biomarcadores funcionais na doença vascular extracraniana

Processo: 14/10985-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de julho de 2014
Vigência (Término): 30 de abril de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Ovidiu Constantin Baltatu
Beneficiário:Juliana Stefanin Fuzatti
Instituição-sede: Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa. Universidade Camilo Castelo Branco (UNICASTELO). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/14724-0 - Biomarcadores funcionais na doença vascular extracraniana, AP.R
Assunto(s):Variabilidade da frequência cardíaca   Artéria subclávia   Aterosclerose

Resumo

INTRODUÇÃO: A doença cerebrovascular extracraniana aterosclerótica carotídea é importante causa de acidente vascular cerebral, sendo caracterizada por espessamento da camada médio-intimal e presença de placa na parede vascular. Uma vez que barorreceptores localizam-se na adventícia do bulbo carotídeo e emergência da artéria subclávia direita, a diminuição do estiramento provocada pela presença de placa aterosclerótica nesses locais poderia levar à redução da sensibilidade barorreflexa, e assim, ser refletida na variabilidade da frequência cardíaca (VFC). HIPÓTESE: Nossa hipótese é que lesões ateroscleróticas carotídeas e subclávia direita estão associadas com dano autonômico, tendo em vista que o sistema nervoso autônomo (SNA) pode ser avaliado por meio da variabilidade da frequência cardíaca (VFC). OBJETIVOS:*Investigar possíveis alterações do sistema nervoso autônomo, via análise da variabilidade da frequência cardíaca, na doença aterosclerótica extracraniana que acomete as artérias carótidas e a artéria subclávia direita.*Identificar um parâmetro/índice da variabilidade da frequência cardíaca refletindo a atividade da sistema nervoso autonômico, que se correlacionam com o grau de lesão aterosclerótica carotídea e subclávia direita.MÉTODOS: Trata-se de estudo transversal envolvendo pacientes assintomáticos com idade e 18 anos. Para determinar atividade autonômica na doença aterosclerótica extracraniana carotídea e subclávia direita, nós propomos avaliar a VFC por meio de ECG e os parâmetros vasculares por meio de ultrassonografia duplex. A VFC será avaliada em atividades locomotoras normais diárias e sob tilt-test. A proposta é utilizar testes estatísticos de análise de variância ou de comparação entre grupos, utilizados de acordo com a distribuição dos dados obtidos.RESULTADOS ESPERADOS E SIGNIFICÂNCIA DO PROJETO:Esperamos que os resultados deste projeto proposto nos proporcione um avanço em diagnóstico precoce da doença cerebrovascular extracraniana aterosclerótica.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
PEREIRA, JR., VALTER L.; DOBRE, MIRELA; DOS SANTOS, SANDRA G.; FUZATTI, JULIANA S.; OLIVEIRA, CARLOS R.; CAMPOS, LUCIANA A.; BRATEANU, ANDREI; BALTATU, OVIDIU C. Association between Carotid Intima Media Thickness and Heart Rate Variability in Adults at Increased Cardiovascular Risk. FRONTIERS IN PHYSIOLOGY, v. 8, APR 26 2017. Citações Web of Science: 4.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.