Busca avançada
Ano de início
Entree

Mecanismos de cardiotoxicidade da doxorrubicina em ratos Wistar e potencial cardioprotetor da Alda-1

Processo: 14/09740-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2014
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Mutagênese
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Daisy Maria Favero Salvadori
Beneficiário:Leonardo da Cunha Menezes Souza
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):17/03180-0 - Cardiotoxicidade in vitro induzida pela doxorrubicina e potencial cardioprotetor da Alda-1, BE.EP.DR
Assunto(s):Doxorrubicina   Expressão gênica   Morte celular   Streptomyces

Resumo

A cardiotoxicidade induzida pela doxorrubicina (DOX), antraciclina isolada da actinobacteria Streptomyces peucetius, corresponde a um dos eventos patofisiológicos mais importantes que limitam o efeito antitumoral desse composto. Sabe-se, que os aldeídos, um dos produtos da ação dos radicais reativos gerados pela DOX, atuam sobre membranas, especialmente as mitocondriais, alterando o estado redox e formando aductos com proteínas, os quais podem inibir suas atividades. Por outro lado, as aldeídos desidrogenases (ALDH2) são enzimas que atuam reduzindo esses efeitos deletérios por meio da catalização de reações para a remoção dos aldeídos tóxicos da célula. Alternativa para minimizar os efeitos adversos de quimioterápicos é a identificação de compostos que protejam as células, ou reduzam os efeitos tóxicos dos antineoplásicos. Nesse sentido, a Alda-1 (N-(1,3-benzodioxol-5-ylmethyl)-2,6-diclorobenzamida), pertencente ao grupo das chaperonas e agonista da enzima ALDH2, vem sendo testada na tentativa de reduzir a atividade cardiotóxica da DOX. Diante do exposto, este estudo propõe investigar, em ratos Wistar, possíveis mecanismos de cardiotoxicidade induzida pela DOX e o potencial cardioprotetor da ALDA-1. Para isso, serão avaliados: a expressão de genes relacionados a vias de ² oxidação de ácidos graxos poliinsaturados (PCR-array) e dos genes PPI e C1QBP relacionados a vias de toxicidade celular ligadas a canais de cálcio; as vias de morte celular induzidas pela DOX (apoptose e necrose) e a expressão dos genes BAX e BCL2; a atividade do gene ALDH2 e da respectiva enzima; os microRNAs relacionados à regulação do gene ALDH2 e dos associados às vias de morte, in silico e por qRT-PCR e danos no DNA mitocondrial. Espera-se que o conjunto de dados possa contribuir para a elucidação do potencial cardiotóxico da DOX e, consequentemente, para que possam ser estabelecidas estratégias eficazes para a redução dos efeitos secundários da DOX sobre o coração. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MENEZES SOUZA, LEONARDO DA CUNHA; FERNANDES, FABIO HENRIQUE; PRESTI, PAULA TORRES; ANJOS FERREIRA, ANA LUCIA; FAVERO SALVADORI, DAISY MARIA. Effect of doxorubicin on cardiac lipid metabolism-related transcriptome and the protective activity of Alda-1. European Journal of Pharmacology, v. 898, MAY 5 2021. Citações Web of Science: 0.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
SOUZA, Leonardo da Cunha Menezes. Mecanismos de Cardiotoxicidade da Doxorrubicina em Ratos Wistar e Potencial Cardioprotetor da Alda-1. 2019. Tese de Doutorado - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Instituto de Biociências (Campus de Botucatu)..

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.