Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da composição de compostos orgânicos voláteis leves: impacto da contribuição veicular na poluição atmosférica da Região Metropolitana de São Paulo

Processo: 14/15981-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2014
Vigência (Término): 30 de novembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Meteorologia
Convênio/Acordo: CNPq - Pronex
Pesquisador responsável:Maria de Fátima Andrade
Beneficiário:Mauro Roger Batista Pousada Gomez
Instituição-sede: Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:08/58104-8 - Narrowing the uncertainties on aerosol and climate changes in São Paulo State: NUANCES-SPS, AP.PFPMCG.TEM
Assunto(s):Compostos orgânicos voláteis   Poluição atmosférica   Região metropolitana   Hidrocarbonetos   Qualidade do ar

Resumo

A Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), megacidade localizada no sudeste do Brasil com população de aproximadamente 20 milhões de habitantes em uma área de 8.511 km2, é uma das maiores megacidades do mundo, contendo a cidade de São Paulo e mais 38 municípios. Na RMSP, existem aproximadamente 6,7 milhões de veículos de passageiros e comerciais sendo 85% veículos leves (VLs), 3% veículos pesados (VPs, os quais rodam com 95% diesel + 5% biodiesel) e 12 % motocicletas. Aproximadamente 55% dos VLs utilizam uma mistura de 78% (v/v) gasolina e 22% etanol (gasool), 4% utilizam etanol hidratado (95% etanol + 5% água), 38% são veículos flex, os quais são capazes de rodar tanto com gasool quanto etanol, e 2% utilizam diesel (5% biodiesel) (CETESB, 2013). De acordo com a CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB, 2012), os veículos são responsáveis por emitir (na atmosfera) 97% de todo monóxido de carbono (CO), 85% dos hidrocarbonetos (HC), 82% dos óxidos de nitrogênio (NOx), 36% do dióxido de enxofre (SO2), e 36% de todo material particulado inalável (PM10). Estes dados indicam que a principal fonte de poluição do ar na RMSP é a emissão veicular. Neste estudo o acompanhamento da qualidade do ar será realizado pelo monitoramento de poluentes como: ozônio, óxidos de nitrogênio, hidrocarbonetos leves - etano, etileno, propano, propileno, isso-butano, n-butano, acetileno, trans-2-buteno, 1-buteno, cis-2-buteno, cilcopentano, isopentano, n-pentano, tran-2-penteno, 1-penteno, cis-2-penteno, 2,4-dimetilpentano e 2,3-dimetilbutano. As correlações estatísticas entre essas espécies serão realizadas com intuito de auxiliar a identificação das fontes de emissão. Uma boa correlação com as espécies acetileno e etileno são frequentemente utilizados como traçadores de emissão veicular, uma vez que essas espécies são emitidas predominantemente por veículos, especialmente os que possuem sistema catalisador de exaustão, enquanto que n-butano, trans-2-buteno, n-pentano são utilizados como traçadores de emissão evaporativa da gasolina. (Araizaga et al., 2013; Guo et al., 2012). A sazonalidade das concentrações dos poluentes será avaliada dentro do prazo deste projeto (inverno, primavera e verão), e correlacionada com dados meteorológicos como velocidade, direção do vento e precipitação de chuvas para interpretar o transporte e dispersão dos poluentes. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.