Busca avançada
Ano de início
Entree

Sociabilizando na prática: a sociabilidade entre usuários de práticas integrativas corporais na atenção primária

Processo: 14/02197-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de junho de 2014
Vigência (Término): 30 de novembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Sociologia - Sociologia da Saúde
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Nelson Filice de Barros
Beneficiário:Janaína Alves da Silveira Hallais
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Saúde pública   Sociabilidade   Atenção primária à saúde   Práticas corporais   Campinas (SP)

Resumo

As práticas corporais vêm sendo tratadas por vários campos do conhecimento, como o da Saúde, da Educação Física, das Ciências Sociais, da História, da Psicologia e também da Educação, com diferentes significados e sentidos. Em Campinas, as práticas corporais alternativas foram institucionalizadas na atenção primária para a prevenção e tratamento de dores e patologias. De caráter coletivo, essas atividades de saúde cumprem um propósito terapêutico - cuja finalidade é a prevenção de doenças e o tratamento das dores - mas, também, propiciam encontro e interação entre os praticantes. Em 2006, o Ministério da Saúde institucionalizou a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), como forma de incluir outras racionalidades médicas ao Sistema Único de Saúde, potencializando as ações de promoção da saúde na atenção primária. Na rede pública do Brasil, as Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS) compreendem a homeopatia, a medicina tradicional chinesa, a medicina antroposófica, a utilização de plantas medicinais e fitoterapia e o termalismo social/crenoterapia (BRASIL, 2006). Classificadas pela Organização Mundial da Saúde como Medicina Tradicional (MT), as PICS são práticas e saberes que se diferem do modelo biomédico ocidental em sua abordagem terapêutica, tendo como alguns princípios a visão holística sob o indivíduo, a busca pelo equilíbrio energético, o foco na saúde e não na doença e a transformação do paciente em produtor de saúde, conferindo-lhe autonomia no processo saúde-doença-cuidado (SOUSA et al, 2012). A fidelização do vínculo terapêutico e a integração do ser humano com o meio ambiente e a sociedade são algumas das diretrizes estabelecidas pela PNPIC. Sendo assim, é possível inquirir as práticas integrativas corporais a partir dos conceitos socioantropológicos de corpo e sociabilidade. Nestes termos, é possível inquirir as práticas corporais alternativas em uma perspectiva que empreenda uma reflexão sobre a construção de novas sociabilidades. O corpo em tratamento - ou em movimento - não é só o corpo da saúde, com suas respostas fisiológicas e orgânicas. Nesse sentido, é possível pensar uma múltipla dimensão do corpo, que é ao mesmo tempo biológico/material e social/cultural e conferir um enfoque antropológico às práticas corporais e à arte de utilizar o corpo humano (MAUSS, 2003:405). Diante disto, é pertinente então abrir uma reflexão sobre a dimensão socializadora que abarca essas práticas. Segundo Luz, há uma diversidade de sentidos, significados e valores associados à multiplicidade das práticas e praticantes atuais em saúde coletiva. (LUZ, 2003:164). Embora nasçam na saúde e se voltem para ela, as práticas corporais apresentam um caráter coletivo que estimula a interação e incentiva a convivência entre os praticantes, transformando o momento da atividade de saúde em um momento de encontro e sociabilidade. Para Madel Luz, essas atividades de saúde favorecem a solidariedade e a amizade como valores consequentes (LUZ, 2003: 163). Diante disto, este projeto de pesquisa objetiva investigar a sociabilidade entre os usuários de práticas integrativas corporais disponíveis nos serviços de atenção primária na cidade de Campinas/SP. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.