Busca avançada
Ano de início
Entree

Esforço cognitivo e suscetibilidade à interferência na consolidação da memória

Processo: 13/24847-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2014
Vigência (Término): 31 de julho de 2018
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Cognitiva
Pesquisador responsável:Orlando Francisco Amodeo Bueno
Beneficiário:Marcus Vinicius Costa Alves
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):16/22257-1 - Usando a pupilometria para quantificar o esforço mental e a intrusão de memórias indesejadas durante a supressão da recuperação, BE.EP.DR
Assunto(s):Esquecimento   Memória (psicologia)   Cognição

Resumo

O esquecimento é a inabilidade de recuperar informações antes passíveis de recuperação. A Teoria da Interferência sugere que informações tendem a disputar a sua existência quando aprendidas pelos indivíduos, logo, o esquecimento seria justificado pela disputa de informações anteriores à entrada das memórias-alvo (Interferência Proativa) e posteriores a essa entrada (Interferência Retroativa). A Consolidação da Memória é um processo que ocorre para a estabilização de novas memórias com o passar do tempo. Este processo pode ser prejudicado com a introdução de estímulos e tarefas intervenientes durante o tempo em que está ocorrendo (IR). Argumenta-se que o esforço cognitivo empreendido pelos indivíduos seja um fator proeminente para a existência desta interferência. Sendo assim, o presente estudo propõe a realização de três experimentos com participantes saudáveis, nos quais após a apresentação de listas de palavras para a Recordação Livre e Reconhecimento, os participantes deverão realizar tarefas que demandem esforço cognitivo diferentes entre a aquisição das informações e evocação. Para mensurar o esforço cognitivo empreendido pelos participantes durante as tarefas será analisado a dilatação da pupila dos indivíduos durante a realização dos experimentos. O Experimento I (N - 30) visa testar como as tarefas realizadas no momento inicial da consolidação da memória influenciam a posterior recordação. No Experimento II (N - 60), os participantes passarão por condições experimentais diferentes para que seja possível verificar como os diferentes tipos de tarefa interferem na consolidação. No Experimento III (N - 30) os participantes realizarão a tarefa durante um intervalo maior de tempo, para se testar como esse empreendimento cognitivo durante um grande tempo afeta a consolidação da memória. (AU)