Busca avançada
Ano de início
Entree

Os veados cinzas do Brasil (Mammalia; Cervidae; Mazama): a busca das variantes genéticas, morfológicas e ecológicas para explicar a complexa taxonomia e evolução do grupo

Processo: 14/16437-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de agosto de 2014
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Pesquisador responsável:José Maurício Barbanti Duarte
Beneficiário:Géssica Caroline Honorato Rodrigues
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:10/50748-3 - Os veados cinza do Brasil (Mammalia: Cervidae: Mazama): a busca das variantes genéticas, morfológicas e ecológicas no sentido de explicar a complexa taxonomia e evolução do grupo, AP.TEM
Assunto(s):Cervidae   Zoologia (classificação)

Resumo

Inúmeros problemas taxonômicos têm sido encontrados nos Cervídeos do Gênero Mazama. Recentes trabalhos têm proposto que os Mazama cinzas não pertencem ao gênero Mazama e inclusive que M. nemorivaga não compartilhe mesmo gênero com M. gouazoubira. Por outro lado, o próprio M. nemorivaga tem sua validade como espécie contestada por alguns autores. Dentro desse contexto, o presente projeto pretende contribuir com essa discussão, revendo a taxonomia dessas espécies, utilizando métodos tradicionais como a morfologia, mas também métodos mais avançados como a citogenética e a genética molecular, na tentativa de elucidar inclusive os processos evolutivos que envolveram esse grupo. O projeto pretende ainda contribuir para o conhecimento das diferenças ecológicas entre as espécies e para isso terá que desenvolver metodologia para estudos ecológicos destes animais, utilizando métodos como DNA fecal, radiotelemetria e armadilhas fotográficas. Para tanto, será feita uma ampla amostragem de veados-cinzas (M. gouazoubira e M. nemorivaga) brasileiros e alguns deles serão alojados nas instalações do NUPECCE para estudos reprodutivos. Uma revisão taxonômica será procedida em alguns museus sul-americanos utilizando-se de crânios e peles. Nos animais vivos serão procedidas colheitas de material para as análises citogenética e molecular. Na citogenética, serão comparados os padrões de bandas G, C, RON, FISH telomérica e pintura cromossômica. Serão avaliados dois marcadores mitocondriais (citocromo b, D-loop ou Citocromo oxidase) e dois nucleares (a serem definidos) para definição das diferenças moleculares entre os indivíduos, que serão comparados com as seqüências depositadas no Genbank dos Cervídeos neotropicais. Os animais mantidos em cativeiro serão cruzados entre si, gerando linhagens puras (M. gouazoubira x M. gouazoubira e M. nemorivaga x M. nemorivaga) e híbridas (M. gouazoubira x M. nemorivaga) e os animais produzidos serão avaliados quanto a sua fertilidade, no sentido de buscar um fator de isolamento reprodutivo entre as duas espécies para confirmação inequívoca da validade das mesmas. Cinco M. gouazoubira serão capturados no Pantanal da Nhecolândia e aparelhados com radiocolares GPS, visando estabelecer a área de vida e uso do habitat pelos mesmos. Na região de captura dos animais marcados serão utilizadas armadilhas fotográficas e DNA fecal no sentido de testar o uso desses métodos como ferramentas para a estimativa da área de moradia dos animais, utilizando como controle os dados dos radiocolares de GPS. Uma vez que a captura de M. nemorivaga ainda é inviável, será utilizada na Amazônia (Flona do Jamari) a metodologia de DNA fecal e armadilhas fotográficas no sentido de avaliar a área de vida e período de atividade dessa espécie. Espera-se que este estudo possa contribuir para a resolução de problemas taxonômicos e para a consolidação do conhecimento biológico dos veados cinzas, gerando tecnologia para trabalhos futuros com espécies semelhantes (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.