Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação estrutural e bioquímica por ressonância magnética em modelo de epilepsia do lobo temporal em ratos com e sem estado de mal epiléptico

Processo: 14/11277-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2014
Vigência (Término): 30 de abril de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Fernando Cendes
Beneficiário:Renata Barbosa
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/50680-2 - Investigação multimodal da epileptogênese com ênfase na incorporação de novos modelos e novas ferramentas, AP.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):17/25029-2 - Imagem de ressonância magnética ponderada por difusão no modelo da pilocarpina da epilepsia do lobo temporal, BE.EP.DR
Assunto(s):Epileptogênese   Esclerose   Epilepsia do lobo temporal   Neuroimagem

Resumo

A epilepsia do lobo temporal mesial (ELTM) representa a síndrome epiléptica parcial mais comum e de difícil tratamento, devido à grande parcela de pacientes refratários ao tratamento medicamentoso. A relação entre esclerose hipocampal e ELTM refratária tem sido bastante abordada ao longo dos anos, no entanto sua etiologia e os mecanismos responsáveis pelos quais a esclerose hipocampal influencia nas crises epilépticas ainda parecem parcialmente obscuros. O avanço tecnológico tem proporcionado ferramentas em neuroimagem cada vez mais eficazes nos processos clínicos de investigação na epilepsia. A ressonância magnética (RM) tem sido considerada a ferramenta padrão-ouro para essas avaliações, podendo revelar sinais de esclerose hipocampal, além de outras alterações anatômicas e metabólicas. Os modelos animais de epilepsia têm contribuído de forma significativa na expansão do conhecimento dos mecanismos e desafios propostos pela doença. Embora as alterações estruturais em humanos e modelos experimentais não apresentem todas as características semelhantes, esses animais continuam sendo a melhor alternativa para estudar os processos da epileptogênese e suas causas e consequências. Existem poucos estudos longitudinais em neuroimagem com modelos animais, assim poderemos definir biomarcadores fidedignos em neuroimagem para epileptogênese, aprimorando a compreensão dos seus mecanismos envolvidos em animais, além de permitir o melhor entendimento das alterações em RM observadas em humanos, após correlações entre imagens e dados histológicos nas diferentes etapas do processo de epileptogênese em modelos experimentais. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.