Busca avançada
Ano de início
Entree

A ativação da via de sinalização da insulina abole a cardioproteção resultante do pré- condicionamento isquêmico in vivo

Processo: 14/11638-9
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 01 de setembro de 2014
Vigência (Término): 31 de agosto de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Janaina Paulini Aguiar
Beneficiário:Janaina Paulini Aguiar
Anfitrião: Sihem Boudina
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa: University of Utah (U), Estados Unidos  
Assunto(s):Cardiologia   Endocrinologia   Insulina   Diabetes mellitus   Isquemia

Resumo

Vogt e seus colegas foram os primeiros a mostrar que a insulina confere cardioproteção, em um modelo suíno de infarto do miocárdio, utilizando a via da PI3K/Akt, um achado que foi confirmado em modelos animais ex vivo de I/R. É largamente aceito que a ativação da Akt por fosforilação está fortemente implicada na resposta cardioprotetora durante a I/R e que essa cascata de sinalização leva à inibição da abertura do poro mitocondrial de transição de permeabilidade, que, em seguida, reduz os efeitos de necrose da reperfusão. Em contraste com o efeito cardioprotetor bem conhecido de insulina contra a I/R, nenhum estudo examinou o efeito da insulina na cardioproteção resultante do pré-condicionamento isquêmico (IPC). Estudos em nosso laboratório demonstraram pela primeira vez que, enquanto a insulina sozinha protegia contra a I/R, a combinação com o IPC aboliu a cardioproteção no coração de rato perfundido em Langendorff, por meio de mecanismos de Akt - dependentes. Além disso, evidências recentes sugerem que a perda de proteção, pré ou pós- isquêmica está associada com ativação da sinalização da insulina e da Akt. Nossos estudos recentes utilizando esta preparação demonstraram claramente que a insulina foi prejudicial para cardioproteção resultante do IPC, mas se este efeito também ocorre in vivo ainda não foi explorado. Além disso, gostaríamos de investigar se o efeito prejudicial da insulina no IPC é aguda ou requer uma exposição a longo prazo a este hormônio. Portanto, este objetivo foi concebido para avaliar a eficácia do IPC contra infarto do miocárdio durante uma exposição aguda ou a longo prazo à insulina in vivo. (AU)