Busca avançada
Ano de início
Entree

Resposta dos tecidos periodontais ao cimento de silicato tricálcico associado ao óxido de zircônio ou óxido de nióbio em molares de ratos

Processo: 14/14688-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2014
Vigência (Término): 31 de março de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Endodontia
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Paulo Sergio Cerri
Beneficiário:Derik Damasceno Barbosa
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOAr). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Histologia   Tecido periapical   Cimentos dentários   Cimento de silicato   Silicato tricálcico   Zircônia   Óxido de nióbio   Dente molar   Ratos   Defeitos da furca

Resumo

Cimentos à base de silicato de cálcio, como o MTA, são indicados para selamento de perfurações endodônticas por apresentar propriedades físicas, químicas e biológicas adequadas. No entanto, tem sido demonstrado que o óxido de bismuto (Bi2O3), usado como agente radiopacificador do MTA, apresenta propriedades desfavoráveis. Assim, outros materiais têm sido estudados com o objetivo de substituir o óxido de bismuto, tais como o óxido de zircônio (ZrO2) e o óxido de nióbio (Nb2O5). O objetivo deste estudo será avaliar a resposta biológica promovida pelo silicato tricálcico (SC) associado ao ZrO2 ou ao Nb2O5 comparando-o ao MTA-Angelus, em perfuração de furca em molares de ratos. Serão utilizados 80 ratos, distribuídos equitativamente em 4 grupos: SC+ZrO2, SC+Nb2O5, MTA e Sham. Em cada animal será realizado o selamento da perfuração de furca, previamente feita no 1º molar superior direito, com um dos materiais (SC+ZrO2, SC+Nb2O5, MTA) e selamento coronário com ionômero de vidro. No grupo Sham, cavidades no assoalho da câmara pulpar do 1º molar superior direito não serão seladas. Nestes dentes, somente será realizada a restauração coronária com o ionômero de vidro; o 1º molar superior esquerdo hígido será usado como grupo controle. Após os períodos de 7, 15, 30 e 60 as maxilas serão removidas e fixadas em formaldeído e, após descalcificação em EDTA a 4,13%, os fragmentos serão desidratados, diafanizados e incluídos em parafina. Os cortes serão corados com hematoxilina e eosina (H&E) e tricrômico de Masson. Nos cortes corados com H&E, o número de células inflamatórias/mm2 e a extensão do espaço periodontal serão obtidos. Cortes das maxilas serão aderidos a lâminas silanizadas para a realização das reações imunohistoquímicas para detecção de interleucina-6 e osterix. Além disso, alguns cortes da maxila serão também submetidos ao método do TRAP, para quantificação dos osteoclastos TRAP-positivos/mm de superfície linear de osso alveolar. Os dados quantitativos serão submetidos à análise estatística ANOVA e teste de Tukey (pd0,05). (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BARBOSA, D. D.; DELFINO, M. M.; GUERREIRO-TANOMARU, J. M.; TANOMARU-FILHO, M.; SASSO-CERRI, E.; SILVA, G. F.; CERRI, P. S. Histomorphometric and immunohistochemical study shows that tricalcium silicate cement associated with zirconium oxide or niobium oxide is a promising material in the periodontal tissue repair of rat molars with perforated pulp chamber floors. International Endodontic Journal, JAN 2021. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.