Busca avançada
Ano de início
Entree

Coabitação de primatas. o impacto das atividades humanas em uma região de ecótono Cerrado/Caatinga, onde primatas humanos e não humanos vivem em simpatria

Processo: 14/15077-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2014
Vigência (Término): 31 de julho de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia
Pesquisador responsável:Noemi Spagnoletti
Beneficiário:Thais Moreno de Barros
Instituição-sede: Instituto de Psicologia (IP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/19219-2 - Como interagem primatas humanos e não humanos no semiárido do nordeste brasileiro: uma abordagem etno-primatológica para preservar a biodiversidade cultural de primatas, AP.BTA.JP
Assunto(s):Caatinga   Erosão do solo   Cerrado

Resumo

A degradação e a fragmentação dos biomas Caatinga e Cerrado causam a perda de biodiversidade e a consequente diminuição das condições de vida de primatas humanos e não humanos. Em algumas regiões do Brasil, especialmente onde há alto risco de desertificação, como no semiárido do Nordeste, o impacto das atividades humanas, como pecuária e monocultivo extensivo, constantemente ameaçam a preservação desses importantes biomas. Este estudo visa a analisar o impacto humano ao longo dos últimos 20 anos em uma área rural no interior do Município de Gilbués (Piauí). Nessa região, uma população selvagem de Sapajus libidinosus habitualmente usa ferramentas de pedra para abrir frutos encapsulados, uma descoberta recente que tem implicações importantes para a compreensão da evolução humana. Por meio da classificação de imagens satélites, pretende-se avaliar o impacto das atividades humanas, especialmente as atividades agrícolas. Os resultados deste projeto são dirigidos a indicar e medir os principais fatores que influenciam os processos de degradação do semiárido nordestino. O bolsista de Iniciação Científica participará ativamente no projeto coletando os dados, analisando as imagens satélites por meio de softwares específicos, criando mapas e apresentando os resultados em relatórios e painéis de congressos.