Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização das interações moleculares entre proteínas da via de síntese de selenocisteínas

Processo: 14/16005-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2014
Vigência (Término): 31 de julho de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biofísica - Biofísica Molecular
Pesquisador responsável:Otavio Henrique Thiemann
Beneficiário:Jessica Fernandes Scortecci
Instituição-sede: Instituto de Física de São Carlos (IFSC). Universidade de São Paulo (USP). São Carlos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:08/57910-0 - Instituto Nacional de Biotecnologia Estrutural e Química Medicinal em Doenças Infecciosas - INBEQMeDI, AP.TEM
Assunto(s):Selênio   Interação proteína-proteína   Selenocisteína

Resumo

A existência de uma maior variedade de aminoácidos codificados pelo código genético tem estimulado estudos sobre os mecanismos de síntese, reconhecimento e incorporação desses resíduos nas cadeias polipeptídicas nascentes. Como exemplo, pode-se destacar a via específica de incorporação do aminoácido selenocisteína, um evento co-traducional dirigido pelo códon UGA. Em bactérias, essa via é formada por uma complexa maquinaria molecular composta pelos elementos Selenocisteína Sintase (SelA), Fator de Elongação Específico de Reconhecimento (SelB), Selenofosfato Sintetase (SelD ou SPS), tRNA específico (SelC ou tRNAsec), sequência específica no mRNA (Sequência de Inserção de Selenocisteínas - SECIS) e Seril-tRNA Sintetase (SerRS), além de outras enzimas que suprem essa via com substratos fundamentais para a biossíntese de selenocisteínas, como a Selenocisteína Liase (CsdB). Pelo fato do selênio ter uma toxicidade elevada no ambiente celular, é fundamental a compreensão do mecanismo catalítico e de elementos essenciais na formação dos complexos da via na etapa de incorporação junto ao tRNAsec. Em bactérias, a interação entre CsdB e SPS foi proposta em 2008, no entanto, nunca verificada experimentalmente. Esse projeto visa à clonagem, expressão e purificação da enzima CsdB envolvidas nessa interação específica além da caracterização da sua interação com a enzima SPS por meio de técnicas como espectroscopia de anisotropia de fluorescência (FAS), calorimetria de varredura diferencial (DSC), calorimetria de titulação isotérmica (ITC) das proteínas nativas e de mutantes propostos no trabalho de 2008. Tentativas de caracterização estrutural utilizando técnicas como espalhamento de raios-X a baixos ângulos (SAXS) e ensaios de cristalização serão realizados. Com esses resultados, haverá uma contribuição na caracterização da via de incorporação de selênio além de prover modelos de interação entre proteínas que estejam envolvidas em metabolismos de elementos tóxicos.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.