Busca avançada
Ano de início
Entree

Purificação e caracterização de peptídeos presentes no veneno do escorpião Tityus serrulatus

Processo: 14/12976-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2014
Vigência (Término): 31 de julho de 2018
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Fernanda Calheta Vieira Portaro
Beneficiário:Bruno Duzzi
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Assunto(s):Peptídeo hidrolases   Doenças negligenciadas   Tityus   Escorpiões   Venenos de escorpião

Resumo

Acidentes causados por escorpião representam um problema de relevância para a saúde pública no Brasil, sendo mais recorrentes que incidentes causados por aranhas e serpentes. No país, a principal espécie responsável por esse quadro é o escorpião Tityus serrulatus devido sua grande adaptação a centros urbanos, sua estratégia reprodutiva (partenogênese), e ao potencial do veneno para induzir manifestações clínicas graves, até mesmo fatais, principalmente entre as crianças. Na composição deste veneno são descritas diversas neurotoxinas que afetam canais de Na+ e K+, sendo o principal foco de estudos com o mesmo. Trabalhos recentes mostram que o veneno do T. serrulatus é composto, principalmente, por peptídeos e que a presença de peptidases endógenas está atuando na formação dos mesmos. Porém, pouco se sabe sobre os peptídeos que compõem os venenos de escorpiões e seus efeitos no envenenamento. Três peptídeos obtidos durante o Mestrado (FTR, KEILG e YLPT) foram caracterizados enquanto inibidores de metalopeptidases, sendo que apenas foram publicados até o momento, resultados in vitro com o pentapeptídeo KEILG. Com base no principal sintoma letal do envenenamento, edema pulmonar agudo, pretendemos estender nossos estudos com os peptídeos presentes no veneno do T. serrulatus que possam interagir com a elastase, uma serinoproteases abundante em pulmão, e que está relacionada com processos inflamatórios. Além dos novos peptídeos que deverão ser identificados durante este projeto, também necessitamos realizar testes in vivo com as moléculas já caracterizadas in vitro durante o Mestrado. Assim, este projeto tem como objetivo buscar informações aprofundadas sobre a presença e a participação de peptídeos do veneno do T. serrulatus na modulação de proteases humanas e que possam estar relacionados com o envenenamento. Estas caracterizações, inéditas na literatura, podem contribuir para um melhor conhecimento do veneno e do envenenamento, além de poder resultar na descoberta de novas ferramentas farmacológicas e no desenvolvimento de novos fármacos. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.