Busca avançada
Ano de início
Entree

As fronteiras entre história e literatura em Oliveira Lima (1882-1908)

Processo: 14/16818-5
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 29 de janeiro de 2015
Vigência (Término): 28 de julho de 2015
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Letras - Literatura Brasileira
Pesquisador responsável:Ricardo Souza de Carvalho
Beneficiário:Ricardo Souza de Carvalho
Anfitrião: Vivaldo Andrade dos Santos
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Georgetown University, Estados Unidos  
Assunto(s):Historiografia   Documentos   Epistolografia   Narrativa histórica

Resumo

O projeto visa pesquisar as relações entre história e literatura na trajetória e na obra de Oliveira Lima entre 1882 e 1908 a partir do acervo do autor na University Catholic of America, em Washington. Oliveira Lima, embora tenha sido uma figura importante da produção letrada no Brasil da passagem dos séculos XIX ao XX, tem merecido poucos estudos no âmbito literário e em outras áreas. Além disso, são escassas as abordagens sobre a estreita correlação entre história e literatura levada a cabo por Oliveira Lima e que atendia às expectativas da vida literária daquele período. Os artigos em periódicos e os livros de Oliveira Lima relacionam-se com os documentos da Oliveira Lima Library, os quais esclarecem a preparação e a recepção dessa obra. Primordialmente a biblioteca e a correspondência podem ampliar a compreensão das escolhas e dos impasses de Oliveira Lima frente aos campos da história e da literatura, muitas vezes não explicitados na obra publicada, em um período decisivo de sua carreira, que vai da formação em Portugal no final do século XIX até a publicação do seu livro mais importante, D. João VI no Brasil de 1908. Ao acompanhar nesse intervalo as principais leituras e interlocutores de Oliveira Lima pretende-se refletir como o escritor foi incorporado à vida literária do Brasil na condição ao mesmo tempo de homem de letras que cultivava a tradição historiográfica do século XIX, propícia à arte da narrativa e do estilo, e de historiador profissional, dedicado ao trabalho com os documentos. (AU)