Busca avançada
Ano de início
Entree

O teatro alegre, a farsa ligeira: dramaturgia, urbanidade e crítica na obra de Gervásio Lobato

Processo: 14/12592-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2014
Vigência (Término): 01 de setembro de 2017
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Letras - Outras Literaturas Vernáculas
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Renata Soares Junqueira
Beneficiário:Claudia Barbieri Masseran
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Letras (FCL). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):15/05431-5 - O teatro alegre, a farsa ligeira: dramaturgia, urbanidade e crítica na obra de Gervásio Lobato, BE.EP.PD
Assunto(s):Crítica teatral   Dramaturgia

Resumo

Gervásio Lobato (1850-1895) foi um dos mais populares dramaturgos portugueses nas últimas décadas do século XIX. Ao lado de nomes como Marcelino de Mesquita, D. João da Câmara e Henrique Lopes de Mendonça, contribuiu para a consolidação do teatro realista nos palcos. Sua produção não poderia ser mais variada: foi romancista, cronista, jornalista e crítico teatral. Como dramaturgo escreveu 25 peças originais (comédias e farsas em sua grande maioria) e mais de 115 traduções ou adaptações do repertório estrangeiro, principalmente o francês. Os mais importantes teatros lisboetas abrigaram com sucesso as encenações das suas peças, que muitas vezes eram representadas em todo o território português, bem como na Ilha da Madeira e no Brasil. Entretanto, toda essa extensa produção dramatúrgica jaz esquecida por parte da crítica literária e sua obra, mesmo que representada até os dias atuais, não recebeu nenhum estudo mais aprofundado. Resgatar o nome e parte da produção dramatúrgica deste autor é o propósito desta pesquisa. Como corpus de trabalho foram selecionadas seis peças originais do autor: A condessa Heloísa (1878), A burguesa (1882), Sua Excelência (1884), O seguro de vida (1885), O comissário de polícia (1890), O festim de Balthazar (1892). O objetivo é realizar uma leitura contextualizada das peças listadas no corpus, buscando relacionar o texto dramatúrgico, o cosmopolitismo da cidade de Lisboa, os teatros onde elas foram encenadas e as críticas de recepção dos espetáculos. Este trabalho procura, assim, reler a obra gervasiana, resgatando a urbanidade do texto, tendo como referência informativa a produção do autor como crítico teatral nos periódicos lisboetas, principalmente a sua colaboração contínua para O Ocidente, ao longo de quinze anos. Propomos deste modo uma interação com o Grupo de Pesquisas em Dramaturgia e Cinema (GPDC), que está sediado em Araraquara e do qual participamos também com a intenção de fornecer subsídios para a articulação do projeto temático "Poéticas da Modernidade: Teatro e Outras Artes", em cujo âmbito integraremos o eixo temático "Teatro e Arquitetura". (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)