Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da regulação da atividade da AMPK em amígdala de animais controles e possíveis efeitos na ingestão alimentar e gasto energético

Processo: 14/16724-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2014
Vigência (Término): 31 de julho de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Patrícia de Oliveira Prada
Beneficiário:Gisele de Castro
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Proteínas quinases ativadas por AMP   Metabolismo energético   Neurofisiologia

Resumo

A AMP-activated protein kinase (AMPK) é um sensor energético celular que regula o balanço energético no âmbito celular e no organismo como um todo. Diversos estudos têm demonstrado que a AMPK hipotalâmica participa do controle da ingestão alimentar em resposta a nutrientes e hormônios como insulina, leptina e grelina. O aumento da atividade da AMPK no hipotálamo está associado com o aumento da ingestão alimentar e sua inibição leva a redução da ingestão alimentar. Embora a maior parte dos estudos tivesse como foco a regulação da AMPK no hipotálamo, recentes evidências têm demonstrado que outras regiões do sistema nervoso podem contribuir para o controle do metabolismo energético e ingestão alimentar. Estas regiões incluem a amígdala que é parte integrante do sistema dopaminérgico de recompensa. Entretanto não há estudos demonstrando a expressão e regulação da atividade da AMPK nessa região. Nesse sentido, o primeiro e segundo objetivos do presente estudo são investigar a expressão da AMPK na região CeA da amígdala por immunoblotting e imuno-histoquímica; e investigar a fosforilação e a atividade da AMPK in vivo em amígdala em resposta a nutrientes como glicose, a hipoglicopenia induzida por 2-DG e a realimentação após jejum prolongado em animais controles. O terceiro objetivo é investigar se há alteração na fosforilação em Thr172 e a atividade da AMPK in vivo em resposta a hormônios como insulina e grelina em amígdala de animais controles. O quarto objetivo é investigar se o bloqueio (STO-609-inibidor de CaMKK e Compound C) e a ativação (AICAR) farmacológica por 7 dias da AMPK alteram a ingestão alimentar, peso corpóreo, adiposidade e gasto energético de animais controles pela modulação da fosforilação em Thr172 e da atividade dest enzima in vivo. De forma complementar e para aumentar a especificidade da inibição ou ativação, no quinto objetivo investigar se a inibição crônica da expressão da AMPK com siRNA ou pela injeção da forma constitutiva ativa da AMPK (adenovírus) na amígdala altera a ingestão alimentar, peso corpóreo, adiposidade, gasto energético e expressão de neuropeptídeos de animais controles. O sexto objetivo do projeto é investigar se o sistema melanocortina regula a ingestão alimentar e o peso corpóreo pela modulação da AMPK. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
CASTRO, Gisele de. A regulação da proteína quinase ativada pelo AMP (AMPK) no CeA e os efeitos sobre o controle da ingestão alimentar e gasto energético. 2017. Tese de Doutorado - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.