Busca avançada
Ano de início
Entree

Atenas, a cidade política: uma reconstrução da teoria política grega da democracia na época clássica (c. V-IV a. C.)

Processo: 14/15392-4
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 03 de agosto de 2015
Vigência (Término): 08 de janeiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Ciência Política - Teoria Política
Pesquisador responsável:Patricio Tierno
Beneficiário:Patricio Tierno
Anfitrião: Edith Hall
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : King's College London, Inglaterra  
Assunto(s):Atenas   Democracia   Filosofia   Ideologia política

Resumo

A presente pesquisa pretende abordar a questão da exeqüibilidade, isto é, das condições lógicas e de possibilidade para uma reconstrução da teoria política grega da democracia clássica. Esta teoria compreenderia o conjunto de doutrinas ou corpo sistemático de idéias formulado por diversos autores da antigüidade durante a época clássica (c. séculos V-IV a. C.) em direta correspondência com o surgimento da pólis e a democracia na Grécia e, particularmente, com a evolução histórica da democracia na cidade de Atenas. No contexto comunitário sócio-político da pólis ateniense, serão estudados dois modos de pensamento considerados representativos da reflexão democrática do período e das diferentes maneiras de fazer frente à tríade problemática composta pela cidade (origens, desenvolvimento e definição da comunidade política), a cidadania (definição e ação política do cidadão) e a constituição ou o regime político (organização institucional do governo da comunidade e do corpo de cidadãos), a saber: de um lado, a sofística encarnada no igualitarismo e relativismo de Protágoras e na primazia da retórica negadora e instrumental de Górgias; do outro, a filosofia teórica derivada da teoria eidética e o programa re-fundador e construtivo de Platão e do naturalismo político em que se ancora a investigação constitucional e deliberativa de Aristóteles. Será sustentado, segundo a hipótese de interpretação defendida, que os quatro pensadores precitados expressam, considerados em conjunto, um movimento intelectual, crítico e reflexivo, com base no qual recriar uma teoria política grega da democracia que, mesmo remetendo a aquela realidade concreta e específica que foi a democracia ateniense e foram, por extensão, as cidades gregas da época clássica, excede o mundo grego antigo e se vincula, na sua projeção ideológica, à apropriação moderna e contemporânea do conceito de democracia. (AU)