Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização e pedogênese da matéria orgânica em latossolos húmicos sob vegetação de cerrado

Processo: 14/21128-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2014
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Ciência do Solo
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Pablo Vidal Torrado
Beneficiário:Marina Justi
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Assunto(s):Gênese do solo   Morfologia do solo   Matéria orgânica do solo   Latossolos   Cerrado   Pirólise   Carbono

Resumo

A Matéria Orgânica do Solo (MOS) influencia consideravelmente atributos do solo como cor, consistência, CTC, estoque e fornecimento de nutrientes, armazenamento de água e atividade biológica. Além disso, representa um importante reservatório de carbono. O conteúdo de C estocado no solo pode ser liberado para a atmosfera na forma de CO2, com a decomposição da matéria orgânica, ou pode ser aumentado com a entrada de resíduos e retenção da matéria orgânica no solo. Nesse sentido, é importante entender os mecanismos de estabilidade e retenção da MOS para predizer como os solos respondem a mudanças, quer sejam elas induzidas por alterações climáticas ou por práticas de manejo. Dentro dos latossolos, classe que ocupa cerca de 40% do território brasileiro, há a subclasse dos latossolos húmicos, que possuem horizonte A húmico espesso e, portanto, com maior estoque de C do que perfis usuais de latossolos. Aspectos sobre a origem, formação e preservação do horizonte A húmico espesso destes solos ainda não foram completamente elucidados e estão estritamente ligados à fonte, dinâmica e mecanismos de preservação da MOS. O objetivo deste trabalho é estender a investigação iniciada pelo grupo de pedologia da ESALQ-USP em projeto anterior com a preocupação de melhor entender a gênese dos latossolos húmicos por meio da caracterização molecular da matéria orgânica pela técnica da pirólise acoplada à cromatografia gasosa e espectroscopia de massas (pirólise - CG/EM). Pretende-se avançar nas questões relacionadas à origem e estabilidade da MOS, uma vez que há latossolos húmicos em diferentes biomas e com conteúdo diversos de MOS de origem pirogênica, ligada aos incêndios naturais. Em latossolos sob vegetação de cerrado, por exemplo, com elevado conteúdo de carvões no perfil há ainda uma parte considerável da MOS que não parece estar ligada à origem pirogênica. Por outro lado, a estabilização da MOS de origem pirogênica em profundidade nos perfis de Latossolos húmicos é um também um importante aspecto a ser estudado, além do papel da matriz mineral na proteção da MOS contra a degradação. Para isso, serão coletadas amostras dos horizontes A em dois perfis de latossolo húmico e não húmico (solo de referência) na região de Salinas - MG em clima tropical e sob vegetação de cerrado. As amostras serão submetidas ao fracionamento físico e químico e as frações serão estudadas em detalhe pela pirólise CG/EM. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
JUSTI, MARINA; SCHELLEKENS, JUDITH; DE CAMARGO, PLINIO BARBOSA; VIDAL-TORRADO, PABLO. Long-term degradation effect on the molecular composition of black carbon in Brazilian Cerrado soils. Organic Geochemistry, v. 113, p. 196-209, NOV 2017. Citações Web of Science: 6.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
JUSTI, Marina. Química da matéria orgânica e pedogênese em Latossolos húmicos sob vegetação de cerrado. 2016. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Piracicaba.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.