Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação comparativa da Lesão Renal Aguda associada ou não à sepse em pacientes idosos admitidos em Unidade de Terapia Intensiva

Processo: 14/17018-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2014
Vigência (Término): 30 de novembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:André Luís Balbi
Beneficiário:Beatriz Motta Sampaio
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Nefrologia   Unidades de terapia intensiva   Prognóstico   Idosos   Lesão renal aguda

Resumo

A Lesão Renal Aguda (LRA) é uma patologia frequente, principalmente em pacientes graves, chegando a atingir até 40% de internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI). Vários fatores podem predispor ao desenvolvimento da LRA, com destaque para a idade avançada, que pode estar associada à maior fragilidade estrutural e funcional do parênquima renal, e a sepse, síndrome que possui alto índice de mortalidade (30-60%) e é também muito frequente em UTI. Esse estudo tem como objetivos avaliar a prevalência das diferentes etiologias da LRA em pacientes internados nas UTIs do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP (HCFMB), comparar a evolução de pacientes idosos que desenvolveram LRA associada ou não à sepse e identificar os fatores de risco associados ao óbito nestes pacientes. Será realizada uma coorte prospectiva observacional de pacientes com idade igual ou maior que 60 anos, acompanhados por 12 meses consecutivos. Considerando-se que a incidência de LRA no idoso admitido em UTI é de aproximadamente 40%, estima-se uma amostra de 200 pacientes ao final do período. Serão excluídos pacientes com idade menor que 60 anos, aqueles com diagnóstico de LRA no momento da admissão na UTI e os portadores de doença renal crônica avançada ou transplantados renais. Para cada paciente selecionado será preenchido um protocolo, pelo mesmo observador, com informações clínicas e laboratoriais, desde sua admissão na UTI até o desfecho (alta ou óbito). A avaliação de função renal será realizada diariamente por meio da dosagem da creatinina sérica e verificação de débito urinário e o diagnóstico de LRA será realizado pelos critérios de AKIN. Os resultados serão apresentados inicialmente por uma análise descritiva de todos os pacientes idosos com LRA internados em UTI que, posteriormente, serão divididos em dois grupos (LRA associada ou não à sepse) e comparados quanto às características clínicas e evolução. Será utilizado o Teste do Qui-Quadrado para a comparação entre variáveis categóricas e o Teste t para as variáveis contínuas. A seguir será realizada análise multivariada, através de modelo de regressão logística, com cálculos dos OddsRatio (OR), sendo incluídas no modelo todas as variáveis independentes que mostrarem associação com o desfecho, com pd0,20. Procedimento semelhante será realizado a partir do estabelecimento, como variável dependente, a ocorrência de óbito. Todos os resultados dos testes de hipótese serão discutidos no nível de 5% de significância (p<0.05).