Busca avançada
Ano de início
Entree

Feminismo de estado e direitos políticos das mulheres: Argentina, Brasil e Chile

Processo: 14/13248-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2014
Vigência (Término): 30 de novembro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Ciência Política
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Eva Alterman Blay
Beneficiário:Patricia Duarte Rangel
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:12/23065-8 - 50 anos de feminismo (1965-2015): novos paradigmas, desafios futuros, AP.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):16/16392-3 - Pode o feminismo ser estatal? reflexões sobre feminismo de estado e institucionalismo feminista, BE.EP.PD
Assunto(s):América do Sul   Feminismo   Movimentos sociais   Direitos políticos

Resumo

A proposta de investigação a ser desenvolvida no âmbito do Programa de Pós-Doutorado é parte integrante do projeto 50 Anos de Feminismo (1965-2015): Novos Paradigmas, Desafios Futuros - Argentina, Brasil e Chile, uma iniciativa coletiva coordenada pelas professoras Eva Blay e Lucia Avelar e integrada por renomadas pesquisadoras brasileiras, argentinas e chilenas, como Nelida Archenti e Dora Barrancos. O objetivo da pesquisa pós-doutoral é avaliar em que medida as demandas dos movimentos feministas são traduzidas em ações na política institucional, mais especificamente, em legislação federal ou nacional na Argentina, no Brasil e no Chile, limitando-nos aos direitos políticos das mulheres. Dentro deste objetivo maior, buscar-se-á compreender se a existência de "instâncias mediadoras em temas de gênero" (agências de políticas para as mulheres, conselhos da mulher, entre diversos outros nomes - denominadas aqui de IMTGs) faz diferença no processo, atuando como filtro catalisador. Será adotado o modelo de Feminismo Estatal, desenvolvido a partir de teorias de representação política, de políticas públicas, do neo-institucionalismo histórico e dos movimentos sociais, além de amplamente inspirado pelo modelo desenvolvido pelo Research Network on Gender Politics and the State, iniciativa européia iniciada em 1995. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.