Busca avançada
Ano de início
Entree

Identificação de parceiros moleculares do receptor AT1 de Angiotensina II envolvidos na ativação de uma nova via de sinalização

Processo: 14/20906-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2015
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Bioquímica e Molecular
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Claudio Miguel da Costa Neto
Beneficiário:Larissa de Bortoli Teixeira
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:12/20148-0 - Desenvolvimento de novos ligantes/drogas com ação agonística seletiva ("biased agonism") para receptores dos sistemas renina-angiotensina e calicreínas-cininas: novas propriedades e novas aplicações biotecnológicas, AP.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):16/10525-1 - Estudo do crosstalk funcional entre os receptores Mas e AT1 através de novos biossensores baseados em BRET (bioluminescence resonance energy transfer), BE.EP.PD
Assunto(s):Transdução de sinais   Angiotensinas

Resumo

Receptores acoplados à proteína G (GPCRs) pertencem a uma superfamília de proteínas integrais de membrana que apresentam em sua estrutura 7 alfa-hélices transmembranares (7TM), e por esta razão são também conhecidos como receptores 7TM, ou 7TMRs. Os 7TMRs constituem a maior classe de receptores de superfície celular e regulam uma ampla diversidade de processos fisiológicos e patológicos, por isso, encontram-se entre os mais importantes alvos farmacológicos atuais. O receptor de angiotensina II tipo 1 (AT1), principal mediador do sistema renina-angiotensina, é classicamente ativado pelo octapeptídio angiotensina II (AngII), mas pode também ser ativado por agonistas tendenciosos (biased agonists), assim chamados por serem capazes de desencadear preferencialmente uma dada via de sinalização como a mediada por proteínas G ou por beta-arrestinas. Durante estudos de estrutura e função do receptor AT1, o grupo do Prof. Claudio M. Costa-Neto construiu receptores mutantes AT1 humano e de rato com alterações em resíduos de prolina das regiões transmembranares. Entre eles, destacou-se o mutante AT1-P207A (prolina 207 mudada para alanina), ao mostrar-se incapaz de ativar proteínas G (Gq, Gs e Gi), incapaz de recrutar beta-arrestinas (1 e 2) e incapaz de realizar a transativação de EGFR, e ainda assim ser capaz de induzir a fosforilação de ERK1/2, quando estimulado com um agonista SII tendencioso para a via de beta-arrestinas. A análise da resposta funcional deste mutante sugere fortemente a existência uma nova via de sinalização ainda não descrita, e, para tanto, a existência de parceiros moleculares adicionais para os receptores. A proposta do presente projeto é justamente identificar tais parceiros moleculares, o que será realizado através de imunoprecipitação dos complexos de sinalização (ligante/receptor/efetores) seguido de espectrometria de massas, e validação da contribuição funcional e a relevância para a transdução de sinais endógenos por meio do knockdown dos alvos identificados. O projeto se insere dentro do contexto de um Projeto Temático vigente (2012/20148-0). (AU)