Busca avançada
Ano de início
Entree

Células solares de perovskitas baseadas em filmes de óxido de nióbio

Processo: 14/23336-7
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2015
Vigência (Término): 31 de julho de 2015
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Materiais e Metalúrgica - Materiais Não-metálicos
Pesquisador responsável:Maria Aparecida Zaghete Bertochi
Beneficiário:Silvia Letícia Fernandes
Supervisor no Exterior: Frank A. Nüesch
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Local de pesquisa : Swiss Federal Laboratories for Materials Science and Technology, Dubendorf, Suíça  
Vinculado à bolsa:12/07745-9 - Desenvolvimento de células solares híbridas baseadas em filmes nanoestruturados de ZnO e Nb2O5, BP.DR
Assunto(s):Óxido de nióbio   Materiais cerâmicos

Resumo

A conversão da luz solar em energia elétrica é uma tecnologia limpa, de fonte abundante e renovável. A eficiência de células solares convencionais formadas a partir de materiais inorgânicos, como o silício, chegou a recordes de 24%, mas exigem o uso de materiais altamente puros, que ainda são caros. O desenvolvimento de novas tecnologias é necessário para fabricação de dispositivos solares de baixo custo que podem ser produzidos em escala comercial. Uma grande variedade de metodologias para a conversão da energia solar está sendo desenvolvida atualmente, incluindo dispositivos sensibilizados por corantes e células solares híbridas de estado sólido. Uma melhoria significativa desses dispositivos foi observada ao longo dos últimos 10 anos, atingindo eficiências de até 14%. No entanto, uma descoberta recente revolucionou o campo dos dispositivos fotovoltaicos. Dispositivos formados de compostos tri-haleto orgânicos de chumbo, CH3NH3PbI3,com estruturas tipo perovskita são capazes de converter de forma eficiente a energia solar em energia eletricidade. Em aproximadamente dois anos de investigação, após a descoberta da capacidade destes materiais, a eficiência destas células chegaram a 17,9% com a expectativa de chegar até 20%. Além disso, este é um sistema promissor para aplicação em escala comercial devido à facilidade de processamento e o baixo custo destes materiais. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Inovação em células solares do CDMF é premiada pela SBPMat 
Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre a bolsa:
Luz mais eficiente 
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.