Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos do treino resistido com tubos elásticos na força muscular, capacidade funcional, resposta inflamatória sistêmica e qualidade de vida de adultos insuficientemente ativos

Processo: 14/08011-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2015
Vigência (Término): 30 de junho de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Ercy Mara Cipulo Ramos
Beneficiário:Fabiano Francisco de Lima
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente , SP, Brasil
Assunto(s):Fisioterapia   Sedentarismo   Inflamação   Treinamento de resistência   Força muscular

Resumo

Introdução: O sedentarismo contribui para a diminuição progressiva da capacidade funcional e instalação de diversas doenças crônicas. A prática de exercícios físicos direcionados para o desenvolvimento de força muscular é recomendada como meio de atenuar ou reverter os efeitos negativos relacionados ao sedentarismo. Neste sentido, o treino de força resistido vem se destacando, realizado por meio de carga ou resistência constante (fixa) e variável (elástica). A utilização de faixas e tubos elásticos é relevante por serem ferramentas de baixo custo, altamente versáteis, e que proporcionam um exercício seguro durante a ação conjunta do grupo muscular, além de possuir alta praticidade. Objetivo: Avaliar os efeitos do treinamento resistido com tubos elásticos em adultos insuficientemente ativos, e comparar com os efeitos do treino resistido convencional (musculação) na força muscular, capacidade funcional, resposta inflamatória sistêmica e qualidade de vida. Métodos: Adultos insuficientemente ativos com idade superior a 45 anos serão divididos em três grupos, um grupo realizará o treino de força resistido com tubos elásticos (GR1), outro realizará o treino de força resistido convencional (GR2) e um grupo controle (GR3). Será avaliado o nível de atividade física (IPAQ), qualidade de vida (SF-36), função pulmonar (espirometria), resposta inflamatória (citocinas), capacidade funcional (TC6), e força muscular (dinamometria). Após, ambos os grupos GR1 e GR2 serão submetidos aos programas de treinamento por 12 semanas com 3 sessões semanais, com duração de 60 minutos. Após 6 e12 semanas de treino os indivíduos serão reavaliados. Análise estatística: Para análise intergrupos será utilizado o teste One-way ANOVA seguido do teste de Tukey ou teste de Kruskal-Wallis seguido do teste de Dunn dependendo da normalidade dos dados. Para análise intragrupos será utilizado análise de variância para medidas repetidas ANOVA seguida de teste de Tukey, caso não seja verificada a normalidade dos dados será aplicado o teste Friedman seguido do teste de Dunn.O nível de significância utilizado será de p<0,05.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
LIMA, FABIANO F.; CAMILLO, CARLOS A.; GOBBO, LUIS A.; TREVISAN, IARA B.; NASCIMENTO, WESLEY B. B. M.; SILVA, BRUNA S. A.; LIMA, MANOEL C. S.; RAMOS, DIONEI; RAMOS, ERCY M. C. Resistance Training using Low Cost Elastic Tubing is Equally Effective to Conventional Weight Machines in Middle-Aged to Older Healthy Adults: A Quasi-Randomized Controlled Clinical Trial. JOURNAL OF SPORTS SCIENCE AND MEDICINE, v. 17, n. 1, p. 153-160, MAR 2018. Citações Web of Science: 6.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
LIMA, Fabiano Francisco de. Treinamento resistido com tubos elásticos versus aparelhos de musculação em adultos aparentemente saudáveis insuficientemente ativos e em pacientes com DPOC. 2016. 105 f. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Faculdade de Ciências e Tecnologia..

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.