Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização de Amostras de Escherichia coli produtoras da toxina Shiga (STEC) isoladas de casos de diarréia e síndrome Hemolítica-Urêmica (SHU) no Brasil, entre os anos de 2007 e 2014

Processo: 14/21064-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2015
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Pesquisador responsável:Rodrigo Tavanelli Hernandes
Beneficiário:Samara Louzada Oliveira
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Diarreia   Microbiologia   Fatores de virulência

Resumo

Escherichia coli produtora da toxina Shiga (STEC) representa um dos patotipos de E. coli diarreiogênica de maior notoriedade, graças a sua ampla distribuição geográfica, a gravidade das síndromes clínicas que podem causar, e as diversas formas de transmissão. A patogênese das infecções por STEC tem como elemento central a ação das toxinas Shiga (Stx1 e/ou Stx2) sobre as células eucarióticas. Estas toxinas possuem pelo menos três atividades biológicas: citotoxicidade, enterotoxicidade e neurotoxicidade. Entretanto, fatores de virulência adicionais à toxina Stx podem estar presentes em amostras de STEC e contribuir para um pior prognóstico nas infecções humanas. Dentre estes fatores pode-se citar: a hemolisina de EHEC (Ehx), a ilha de patogenicidade LEE (locus of enterocyte effaciment), a toxina SubAB (subtilase), a toxina citoletal distensora (CDT-V), diversas adesinas de natureza fimbrial e não-fimbrial e proteínas autotransportadoras. O presente projeto de pesquisa tem como objetivo principal caracterizar fenotípica e molecularmente isolados de STEC provenientes de casos de diarreia e síndrome hemolítica-urêmica, ocorridos nos últimos anos (2007 a 2014) em nosso país quanto à capacidade de produção de Stx, expressão do fenótipo enterohemolítico, capacidade de interação com células epiteliais, e a presença de diversos outros marcadores genotípicos relacionados a toxinas, adesinas e proteínas autotransportadoras.