Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise de fatores de risco para a ocorrência de dor lombar em atletas recreacionais de futebol

Processo: 14/24114-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2015
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Marcelo Tavella Navega
Beneficiário:Leonardo Junior Pereira de Oliveira
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Marília. Marília , SP, Brasil
Assunto(s):Eletromiografia   Esportes   Atletas   Futebol

Resumo

Introdução: Em atletas observa-se uma grande incidência de dor lombar, frequentemente, associada a ocorrência de cargas repetitivas de baixa magnitude ou impactos únicos de alta magnitude com maior frequência do que indivíduos ativos não atletas. Nesse sentido, o tipo de esporte e a frequência de prática pode ser determinante para o desenvolvimento da dor lombar. Estudos que identifiquem as alterações de força muscular e resistência muscular localizada dos músculos extensores do tronco, que são sinais clínicos relacionados à disfunção gerada pela dor lombar inespecífica, bem como, os padrões de recrutamento muscular dos estabilizadores do tronco podem contribuir para o desenvolvimento de programas de treinamento e de reabilitação de atletas de futebol com dor lombar inespecífica. Objetivo: O presente estudo tem por objetivo comparar a força muscular e a resistência muscular localizada e as respostas antecipatórias à instabilidade de atletas recreacionais de futebol com e sem dor lombar. Métodos: Participarão deste estudo, atletas recreacionais de futebol com idade entre 35 e 60 anos com ou sem dor lombar inespecífica. O protocolo para a coleta dos dados será realizado em dois dias, sendo realizada a coleta das informações pessoais do individuo, a antropometria e o preenchimento de uma ficha de avaliação no primeiro dia. No segundo dia de coletas será realizada a familiarização dos voluntários com o teste de Contração Isométrica Voluntária Máxima (CIVM), o teste de Biering-Sorensen, o teste de Flexão Abdominal em um minuto e o teste de perturbação postural. Serão realizadas três CIVM, de cinco segundos cada em extensão e flexão de tronco, com intervalo de 30 segundos entre cada contração. O teste de Biering Sorensen será realizado para avaliação da resistência a fadiga da musculatura extensora do tronco, onde o avaliado após permanecer suspenso sobre a maca realizará a amplitude máxima de extensão de tronco, sustentando essa posição pelo maior período de tempo possível. No teste de flexão abdominal, usado para avaliação da resistência da musculatura abdominal à fadiga, nesse teste, o voluntário deverá realizar o máximo de repetições de exercícios abdominais em um minuto. No teste de instabilidade postural o voluntário deverá chutar uma bola que será lançada sem nenhum aviso prévio a partir de uma distância fixa de 6 m na diagonal. Neste teste será avaliado o tempo para onset muscular da musculatura estabilizadora do tronco em relação ao músculo efetor do gesto do chute. Os sinais EMG serão coletados sobre os músculos oblíquo interno (OI), multífidos (MU) e reto femoral (RF) durante os testes de CIVM e Chutar a Bola. O tempo de onset EMG será determinado a partir da alteração de dois desvios-padrão a partir do valor de ativação em repouso e a diferença entre o tempo de onset do RF e OI e RF e MU será calculada. Os dados obtidos durantes os testes serão comparados entre os grupos por meio de testes estatísticos apropriados. Assim, será aplicado o teste de Shapiro-Wilk para verificação da normalidade dos dados, sendo adotado o valor de significância de p < 0.05.