Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito da interleucina 17 na regulação hipotalâmica da homeostase energética

Processo: 14/24362-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2015
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Metabolismo e Bioenergética
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Licio Augusto Velloso
Beneficiário:Guilherme Augusto da Silva Nogueira
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Hipotálamo   Obesidade   Interleucina-17

Resumo

A obesidade decorre da associação entre fatores genéticos, metabólicos, hormonais e ambientais. Uma vez estabelecida, favorece o aparecimento de resistência à insulina, doenças cardiovasculares, hipertensão, dislipidemia e alguns tipos de câncer, impactando na qualidade de vida e nas taxas de mortalidade da população. Por proporcionar gastos elevados à saúde pública e por acometer cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo, a obesidade é um dos maiores fenômenos clínico-epidemiológicos da atualidade. Estudos recentes mostram que a interleucina 17 (IL-17) é capaz de modular a expressão da leptina, predispondo camundongos à obesidade. Um importante sítio de ação desta citocina é a barreira mucosa do trato gastrointestinal, estimulando a produção de moléculas de adesão e anti-microbianas que participam da integridade desta barreira. Alterações da expressão desta interleucina podem levar ao desequilíbrio da homeostase da microbiota intestinal residente, favorecendo o aumento da permeabilidade deste tecido e translocação de lipopolissacarídeos bacterianos e, consequentemente, a endotoxemia metabólica associada com o aumento do perfil inflamatório, ganho de peso corporal e resistência à insulina. Um estudo realizado no Laboratório de Sinalização Celular mostrou que o aumento da expressão do RNAm da IL-17 no intestino reflete em um aumento plasmático dessa citocina que desempenha um importante efeito na secreção de insulina, de maneira semelhante a hormônios incretínicos. Além disso, um estudo-piloto também realizado em nosso laboratório demonstrou que a injeção de IL-17 intraperitonial em ratos da linhagem C57BL/6 em jejum foi capaz de aumentar a expressão do neuropeptídeo POMC no hipotálamo, sugerindo que a IL-17 pode estar envolvida na modulação da fome e homeostase energética hipotalâmica, porém até onde atinge nosso conhecimento, os mecanismos envolvidos neste processo não estão estabelecidos. Animais outbread propensos e resistentes à obesidade serão separados em grupos que receberão dieta padrão ou hiperlipídica. O hipotálamo dos animais será extraído após estímulo agudo da IL-17 em um time-course. Através de ensaios de PCR real time, immunoblot e imunofluorescência indireta com análise por microscopia confocal analisaremos a modulação da expressão de neurotransmissores mediada por esta citocina. (AU)