Busca avançada
Ano de início
Entree

O ensino de conceitos matemáticos para estudantes surdos em uma perspectiva inclusiva

Processo: 14/19686-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2015
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Educação - Tópicos Específicos de Educação
Pesquisador responsável:Klaus Schlünzen Junior
Beneficiário:Denner Dias Barros
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente , SP, Brasil
Assunto(s):Educação inclusiva   Ensino de matemática   Resolução de problemas   Trabalho colaborativo   Pessoas com deficiência auditiva   Estudantes   Métodos de ensino   Métodos de observação

Resumo

O ensino de Matemática, especialmente relacionado à resolução de problemas para os estudantes surdos ainda é um dilema para os professores de Matemática, como retratam os estudos de Nogueira e Machado (1995), Coutinho (2003), Gil (2007), Fávero (2010) e Fernandes (2011). Este processo é prejudicado pelas barreiras linguísticas e pela maneira como o professor media o conhecimento matemático em sala de aula. A resolução de problemas é uma metodologia ativa que evidencia uma concepção de ensino não pela exposição de conceitos, mas pela criação de conhecimentos significativos, de modo que a Matemática se torna interessante e estimuladora. Nesse sentido, são necessárias mudanças no planejamento e nas atividades realizadas por esses profissionais para promover condições igualitárias de acesso à aprendizagem e estimular em todos os seus estudantes suas habilidades e potencialidades, pois de acordo com Pozo (1998), o ensino pautado na metodologia de resolução de problemas auxilia os estudantes a "aprender a aprender", ou seja, serem autônomos na busca de soluções para os problemas que os inquietam. Nesta pesquisa pretende-se verificar de que forma o professor da Sala de recursos pode auxiliar o professor de Matemática da classe comum, a elaborar um Plano de Ensino Individualizado para um estudante surdo, voltado à resolução de problemas, em uma perspectiva inclusiva, por meio da observação e análise dos elementos que compõem os ambientes e sujeitos da pesquisa e com a criação de Planos de Ensino Individualizados. Com este trabalho colaborativo, objetiva-se a plena participação dos estudantes surdos nas aulas de matemática.