Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos da propentofilina e do lipopolissacarídeo no comportamento doentio, comportamento tipo-depressivo, e nos níveis plasmáticos de TNF-alfa em ratos

Processo: 14/25113-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2015
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Thiago Berti Kirsten
Beneficiário:Marcella Cristina Galvão
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Depressão   Fator de necrose tumoral alfa   Bactérias gram-negativas   Lipopolissacarídeos   Endotoxinas   Peso corporal   Comportamento animal   Modelos animais

Resumo

A depressão é uma desordem de humor que preocupa devido sua alta incidência, sendo uma das principais causas de desemprego e suicídio, bem como por demandar tratamentos longos e caros. Pouco se sabe sobre a etiologia e patofisiologia da depressão, incluindo fatores genéticos, psicológicos e farmacológicos. Uma hipótese que vem ganhando força na gênese da depressão é a partir de ativações imunes/inflamatórias. Por exemplo, muitos pacientes depressivos apresentam aumento crônico nos níveis de citocinas pró-inflamatórias. Nesse sentido, muitos medicamentos que interferem com o sistema imune e suas relações bidirecionais com o sistema nervoso central têm sido testados para o tratamento da depressão, especialmente o uso de anti-inflamatórios. A propentofilina é um derivado xantínico que tem exibido efeitos anti-inflamatórios, neuroprotetores e antioxidantes. Assim, é objetivo deste trabalho tratar ratos com propentofilina na tentativa de previnir/amenizar os efeitos tipo-depressivos experimentalmente induzidos. Serão utilizados ratos Wistar adultos. Para induzir os efeitos tipo-depressivos usaremos um modelo proposto na literatura por administrações repetidas de lipopolissacarídeo (LPS, endotoxina bacteriana gram-negativa). Os ratos receberão a propentofilina por cinco dias consecutivos. Primeiramente será necessário verificar se o comportamento doentio induzido por LPS cessará, com avaliações diárias da atividade geral em campo aberto e peso corporal. O comportamento tipo-depressivo será verificado pelo teste do nado forçado. Será realizada ainda avaliação dos níveis plasmáticos de fator de necrose tumoral alfa, considerado um biomarcador ligado à depressão.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MORAES, MARCIA M. T.; GALVAO, MARCELLA C.; CABRAL, DANILO; COELHO, CIDELI P.; QUEIROZ-HAZARBASSANOV, NICOLLE; MARTINS, MARIA F. M.; BONDAN, EDUARDO F.; BERNARDI, MARIA M.; KIRSTEN, THIAGO BERTI. Propentofylline Prevents Sickness Behavior and Depressive-Like Behavior Induced by Lipopolysaccharide in Rats via Neuroinflammatory Pathway. PLoS One, v. 12, n. 1 JAN 5 2017. Citações Web of Science: 12.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.