Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel das espécies reativas de oxigênio (EROs) no NTS sobre o desenvolvimento e a manutenção da hipertensão renovascular 2 rins 1 clipe

Processo: 14/01159-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2015
Vigência (Término): 31 de agosto de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Eduardo Colombari
Beneficiário:Mariana Del Rosso de Melo
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOAr). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/50770-1 - Mecanismos neurais de regulação do equilíbrio hidroeletrolítico e controle cardiorrespiratório, AP.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):16/02091-1 - Papel dos receptores AT1 no NTS comissural no desenvolvimento da hipertensão renovascular, BE.EP.DR
Assunto(s):NADPH oxidase   Angiotensina II   Citocinas   Hipertensão renovascular

Resumo

Os altos índices de pressão arterial atingem cerca de 1/3 da população ocidental aumentando os fatores de risco para doenças coronarianas, infarto e falência cardíaca. Muitos estudos tentam entender as causas da hipertensão e possíveis mecanismos que facilitem o tratamento da hipertensão. O sistema nervoso central (SNC) parece ter um papel chave no desenvolvimento e manutenção da hipertensão. Dentre as diversas áreas encefálicas, podemos destacar o papel do núcleo do trato solitário (NTS), sítio primário das aferências cardiovasculares e que também está envolvido na regulação da atividade simpática em situações de hipertensão. Recentemente, estudos tem mostrado que o estresse oxidativo, causado pelo aumento da produção de espécies reativas de oxigênio (EROs) pode contribuir para o desenvolvimento e a manutenção da hipertensão. A principal fonte de EROs no SNC é a enzima NADPH oxidase, sendo que as isoformas NOX2 e a NOX4 parecem estar envolvidas com o desenvolvimento/manutenção da hipertensão dependente de ANG II. As citocinas pró-inflamatórias também parecem estar envolvidas com hipertensão dependente de ANG II e essas citocinas podem ativar a NADPH oxidase. O modelo experimental de hipertensão Goldblatt 2 rins 1 clip (2R1C), onde a hipertensão desenvolvida é dependente da maior atividade do sistema renina-angiotensina e de uma hiperatividade simpática, também depende do aumento de espécies reativas de oxigênio em algumas áreas do SNC. Demonstramos recentemente que a superexpressão de receptores de angiotensina II (ANG II) do subtipo AT2, os quais ativados têm efeitos opostos dos receptores do subtipo AT1, atenua o desenvolvimento da hipertensão 2R1C. Porém não sabemos se na hipertensão 2R1C há maior produção de EROs no NTS e se as isoformas NOX2 ou NOX4 estão envolvidas. Assim, o objetivo deste trabalho será verificar a expressão de NOX2, NOX4 e EROs no NTS de animais 2R1C. Além disso, estudaremos os efeitos do silenciamento dessas isoformas (NOX2 ou NOX4) no NTS sobre a pressão arterial média (PAM), freqüência cardíaca (FC) e atividade simpática no nervo esplâncnico (ASNe) de animais 2R1C. Estudaremos também a expressão de citocinas pró-inflamatórias no NTS de ratos com hipertensão 2R1C e também os efeitos do silenciamento dessas isoformas sobre a expressão de citocinas pró-inflamatórias e produção de EROs no NTS de animais 2R1C. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MELO, MARIANA ROSSO; GASPARINI, SILVIA; SPERETTA, GUILHERME F.; SILVA, ELAINE FERNANDA; PEDRINO, GUSTAVO RODRIGUES; MENANI, V, JOSE; ZOCCAL, DANIEL B.; ALMEIDA COLOMBARI, DEBORA SIMOES; COLOMBARI, EDUARDO. Importance of the commissural nucleus of the solitary tract in renovascular hypertension. HYPERTENSION RESEARCH, v. 42, n. 5, p. 587-597, MAY 2019. Citações Web of Science: 2.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.