Busca avançada
Ano de início
Entree

Gestão de projetos

Processo: 15/00604-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de março de 2015
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Administração - Administração de Empresas
Pesquisador responsável:Dimas Tadeu Covas
Beneficiário:Fernando Parigi Junior
Instituição-sede: Hemocentro de Ribeirão Preto. Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP (HCMRP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/08135-2 - CTC - Centro de Terapia Celular, AP.CEPID
Assunto(s):Administração de projetos   Auxílio à pesquisa   Transdução de sinais   Células-tronco

Resumo

O Centro de Terapia Celular (CTC) é constituído por um grupo de pesquisadores da USP e do Hemocentro de Ribeirão Preto que estão interessados na compreensão da biologia de células-tronco, assim como no desenvolvimento de novas tecnologias para a sua utilização no tratamento de doenças. O grupo de pesquisadores é composto por médicos, biólogos, biomédicos, farmacêuticos e veterinários, entre outros. Os pesquisadores do CTC foram responsáveis pela geração da primeira linhagem de células-tronco embrionárias no Brasil e produziu um dos primeiros clones bovinos e ovinos no país. No laboratório, os pesquisadores do CTC têm interesse em vias de sinalização de células-tronco embrionárias de mamíferos e humanos, em animais e células adultas humanas reprogramação para o estado embrionário de pluripotência (células iPS) e no funcionamento das células-tronco adultas, como hematopoéticas, mesenquimais e as células-tronco do câncer. A partir de células-tronco humanas, os cientistas do CTC investigam formas de produção de componentes do sangue como uma fonte alternativa de transfusão de sangue. No laboratório, outros pesquisadores utilizam células iPS derivadas de pacientes com doenças do sangue para melhor compreender como estas doenças podem ser evitadas ou melhor tratadas. Na área clínica, investigadores-médicos desenvolvem novos métodos de diagnóstico e tratamento para a leucemia, e também uso de novas células estaminais, como células mesenquimais, para o tratamento de muitas doenças, tais como diabetes mellitus, esclerose sistémica e anemia aplástica. (AU)