Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise dè polimorfismos dós genes AMEL, AMBN, ENAM, Tuft, AMTN, MMP20, KLK4, FAM83H, Fam20a, Wdr72, CFTR, Serpinh1, Serpinf1 e COL1A1 Èm camundongos com diferentes susceptibilidades genéticas à fluorose dentária

Processo: 13/19918-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2015
Vigência (Término): 31 de maio de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Odontologia Social e Preventiva
Pesquisador responsável:Marília Afonso Rabelo Buzalaf
Beneficiário:Senda Charone
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB). Universidade de São Paulo (USP). Bauru , SP, Brasil
Assunto(s):Fluorose dentária   Polimorfismo genético   Genes   Bioquímica

Resumo

Os mecanismos pelos quais a ingestão excessiva de fluoreto (F) durante a amelogênese levam à fluorose dentária ainda não são precisamente conhecidos. Tem sido demonstrado que determinadas linhagens de camundongos são mais susceptíveis que outras à fluorose dentária, o que faz destas linhagens o modelo ideal para se estudarem os fenômenos moleculares envolvidos nesta patologia. Sabe-se que a fluorose é caracterizada pela retenção de proteínas no estágio de maturação do esmalte e que a secreção destas proteínas não é alterada pelo F, que altera apenas a sua degradação no estágio de maturação. Além disso, sabe-se que estes fenômenos são controlados por diversos genes expressos na amelogênese. Entretanto o papel na fluorose dentária de polimorfismos em genes que codificam as proteínas estruturais e proteases residentes no esmalte ainda é pouco conhecido. Desta forma, o presente projeto tem o objetivo avaliar a associação de polimorfismos em genes expressos na amelogênese (Amel, Ambn, Enam, Tuft Amtn, Mmp20, Klk4, Fam83h, Fam20a, Wdr72, Cftr, Serpinh1, Serpinf1 e Col1a1) com o fenótipo de fluorose dentária em camundongos com diferentes susceptibilidades a este defeito de desenvolvimento do esmalte. Para tanto, camundongos de ambos os gêneros, representantes das linhagens 129P3/J (n=40; resistentes à fluorose) e A/J (n=40; susceptíveis à fluorose) serão distribuídos em dois grupos para cada linhagem, que receberão ração com baixa concentração de F e água de beber contendo 0 ou 50 mg/L F por 6 semanas. Ao término do período experimental, os animais serão anestesiados e o sangue será coletado para a extração do DNA genômico. Para a análise dos polimorfismos será realizada discriminação alélica utilizando PCR em tempo real. Como perspectivas futuras, a identificação de polimorfismos genéticos associados com a fluorose dentária em modelo experimental auxilia a seleção de genes candidatos a esta patologia para os estudos com populações humanas residentes em áreas endêmicas de fluorose, bem como a compreensão da funcionalidade dessas variantes polimórficas durante a amelogênese.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CHARONE, SENDA; KUCHLER, ERIKA CALVANO; LEITE, ALINE DE LIMA; FERNANDES, MILENI SILVA; PELA, VINICIUS TAIOQUI; MARTINI, TATIANA; BRONDINO, BARBARA MARGARIDO; MAGALHAES, ANA CAROLINA; DIONISIO, THIAGO J.; SANTOS, CARLOS F.; RABELO BUZALAF, MARILIA AFONSO. Analysis of Polymorphisms in Genes Differentially Expressed in the Enamel of Mice with Different Genetic Susceptibilities to Dental Fluorosis. Caries Research, v. 53, n. 2, p. 228-233, 2019. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.