Busca avançada
Ano de início
Entree

Novos complexos de rutênio com ligantes bioativos: investigação do mecanismo de ação

Processo: 14/19632-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2015
Vigência (Término): 07 de fevereiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Inorgânica
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Márcia Regina Cominetti
Beneficiário:Angelica Ellen Graminha
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):15/23889-9 - Avaliação do potencial antimetastático de complexos de rutênio, BE.EP.PD
Assunto(s):Metástase   Apoptose   Neoplasias   Rutênio

Resumo

Durante anos o câncer é a segunda causa de mortes no mundo, sendo precedido somente pelas doenças cardiovasculares. Estimativas mundiais indicam que o câncer ganhará cada vez mais importância na morbidade e mortalidade nas próximas décadas, caso medidas preventivas não sejam tomadas. Vêm crescendo os grupos de pesquisas focados na descoberta de novas drogas para o tratamento do câncer com intuito de buscar compostos mais eficazes e que apresentem menores efeitos colaterais e resistência terapêutica. Em vista disso, os compostos contendo metais de transição têm sido propostos como antitumorais, em particular complexos de rutênio, os quais vêm apresentando um comportamento anti-metastático. Diversos estudos demonstram que estes compostos apresentam toxicidade sistêmica menor em comparação com os principais metalodrogas disponíveis para o tratamento do câncer. Sendo assim, o presente projeto visa estudar complexos de rutênio contendo em sua esfera de coordenação produtos naturais bioativos como o ácido gálico, ácido caféico e ácido p-coumárico. Estudos preliminares mostram que estes complexos ([Ru(O-O)(bipy)(dppb)]PF6, onde bipy = 2,2'bipiridina, dppb = 1,4-bis(difenfenilfosfina)butano e O-O = ligante bioativo) apresentaram maior citotoxicidade contra carcinoma de mama humano na linhagem MDA-MB-231 quando comparado com a linhagem MCF-7. Além disso, estes compostos apresentam baixa citotoxicidade na linhagem normal de células de camundongo (L929). Sendo assim, este projeto visa estudar os possíveis mecanismos de morte celular através das técnicas de fragmentação nuclear, inibição da topoisomerase, formação de espécies reativas de oxigênio, ensaios de apoptose, zimografia e western blotting. Além disso, espera-se que, por meio dos dados químicos e biológicos, seja possível elucidar um mecanismo de ação assim como uma correlação entre a estrutura e a atividade dos compostos estudados. (AU)