Busca avançada
Ano de início
Entree

Associações entre módulos de desenvolvimento e a diversidade ecológica durante a evolução morfológica das falanges de Gekkota (Squamata)

Processo: 14/26287-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de maio de 2015
Vigência (Término): 31 de julho de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Morfologia dos Grupos Recentes
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Tiana Kohlsdorf
Beneficiário:Priscila de Souza Rothier Duarte
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):16/03953-7 - Evolução modular do autopódio em Gekkota (Squamata): integrando morfologia, ecologia e função, BE.EP.MS
Assunto(s):Morfologia animal   Biologia do desenvolvimento   Falanges de animal   Lagartos   Gekkota   Squamata

Resumo

Estudos em Eco-Evo-Devo tornaram-se consideravelmente mais frequentes nos últimos anos, e sua contribuição é inquestionável dada a integração de conceitos de diversas áreas que permite maior entendimento dos processos evolutivos. Dentre esses processos, a restrição fenotípica por modularidade recebe significativo destaque. Módulos são unidades de desenvolvimento, organizadas em vários níveis de agrupamento (molecular ao indivíduo), que covariam. As falanges, por exemplo, são definidas por um módulo bastante conservado em Tetrapoda que pode determinar elementos de tamanhos semelhantes ou dispostos em um gradiente decrescente de proporções desses elementos. A ausência de covariação entre falanges distais e proximais em alguns grupos de lagartos, entretanto, sugere que a seleção de hábitos locomotores específicos favoreceu a dissociação desse módulo de desenvolvimento em dois submódulos: proximal e distal. A presente proposta enfoca lagartos geconídeos (Squamata: Gekkota) com o objetivo de investigar possíveis associações entre o hábito locomotor utilizado pelas espécies e padrões ecomorfológicos e no desenvolvimento que explicam a morfologia diferenciada das falanges distais de representantes do grupo. A proposta será implementada em duas etapas complementares. Inicialmente, será realizada análise a partir de dados de morfometria linear das falanges obtidos por meio de radiografias digitais em aproximadamente 30 espécies de gecos. A dissociação modular será inferida com base em índices de covariância entre elementos distais e proximais associados ao hábito locomotor preferencial de cada espécie. Posteriormente, serão identificados os padrões de desenvolvimento embrionário da morfologia falangeal em Gekkota. Os dados morfométricos dessa segunda etapa serão obtidos em embriões diafanizados de uma espécie de geco e de grupos externos, a partir de imagens de autopódios obtidas em sistema de estereoscópio digital. Destaca-se no projeto a integração de diversas áreas na compreensão de processos evolutivos associados à origem da diversidade fenotípica do autopódio em vertebrados. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
ROTHIER, PRISCILA S.; BRANDT, RENATA; KOHLSDORF, TIANA. Ecological Associations of Autopodial Osteology in Neotropical Geckos. Journal of Morphology, v. 278, n. 3, p. 290-299, MAR 2017. Citações Web of Science: 4.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.