Busca avançada
Ano de início
Entree

Território usado, processos de regionalização e solidariedades federativas: uma proposta de estudo da região metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (SP)

Processo: 14/24124-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2015
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Geografia - Geografia Regional
Pesquisador responsável:Fabrício Gallo
Beneficiário:Jessica Marson Maria
Instituição-sede: Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Assunto(s):São Paulo   Uso do solo   Regionalização   Geografia econômica

Resumo

A criação e organização de Regiões Metropolitanas (RMs), que anteriormente era vinculada à esfera federal, tornou-se, a partir da Constituição de 1988, um processo de responsabilidade dos entes estaduais. Desta forma, ampliaram-se os agentes e consequentemente os interesses envolvidos neste processo de regionalização, fato este que acarreta mudanças nas dinâmicas locais, tendo em vista que a metropolização possibilita uma maior influência e atuação política da esfera estadual sobre os municípios desta nova região, atuando muitas vezes como verticalidades.A partir dos interesses envolvidos na metropolização, nota-se que houve um crescimento deste processo ao longo dos anos. Atualmente no Brasil encontramos 62 RMs, sendo que destas, 5 são paulistas. O recorte analítico deste projeto de pesquisa será uma delas: a RM do Vale do Paraíba e Litoral Norte. Buscaremos compreender quem são os agentes, os interesses e as alterações que esta regionalização acarretará quando se propõe definir como RM do Vale do Paraíba e Litoral Norte um conjunto de 39 municípios, tão distintos entre si e com dinâmicas internas diferenciadas: falamos de municípios do Litoral Norte, do Vale Histórico e dos munícipios cortados pela Rodovia Presidente Dutra.Estes fatores evidenciam que a metropolização tornou-se um processo institucional, atendendo a interesses que nem sempre condizem com a realidade regional, e concomitantemente, ao invés de ser instrumento para um efetivo planejamento territorial, pode ampliar o processo de desigualdade regional promovem uma reorganização das solidariedades federativas no território paulista.