Busca avançada
Ano de início
Entree

Fenótipos microgliais e a Doença de Parkinson

Processo: 15/03791-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2015
Vigência (Término): 31 de março de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Luiz Roberto Giorgetti de Britto
Beneficiário:Carolina Parga Martins Pereira
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):17/09909-2 - Efeitos da depleção e repopulação microglial durante a perda neuronal induzida pela 6-OHDA, um modelo da Doença de Parkinson, BE.EP.DR
Assunto(s):Degeneração neural   Microglia   NADPH oxidase   Doença de Parkinson   Neurofisiologia

Resumo

O envelhecimento populacional acelerado tem como principal consequência o aumento da incidência de doenças associadas à idade, bem como dos custos dos tratamentos médico-hospitalares. A doença de Parkinson (DP) é considerada a segunda doença neurodegenerativa mais comum em idosos e é caracterizada pela presença de dificuldades motoras decorrentes da redução de neurônios dopaminérgicos no estriado devido à degeneração neuronal na substância negra pars compacta. Uma das principais neurotoxinas utilizadas para o estudo de DP em modelos animais é a 6-hidroxidopamina (6-OHDA), que possui como mecanismo de neurotoxicidade a formação de espécies reativas de oxigênio (ROS). A liberação de ROS pela NADPH oxidase (Nox) e a ativação microglial constituem os eventos iniciais da neurodegeneração induzida pela 6-OHDA. A Nox encontra-se superativada na DP, levando a um desequilíbrio redox e a danos celulares. A microglia é o principal componente da defesa imune no sistema nervoso central e é derivada de células da linhagem de monócitos, sendo assim, semelhantes aos macrófagos tanto em características fenotípicas quanto funcionais. Estudos apontam que a microglia possui dois tipos de fenótipos: M1 ou ativação clássica (pró-inflamatória) e M2 ou ativação alternativa (anti-inflamatória). Resultados da literatura indicam que a ausência da subunidade gp91phox-/- da Nox2 em camundongos aumenta a quantidade de microglia, tornando os animais protegidos da neurodegeneração dopaminérgica. Baseado nesses resultados, o presente estudo propõe identificar os tipos microgliais presentes tanto nos camundongos controle quanto no knockout para a subunidade gp91phox-/- com a finalidade de compreender as funções microgliais em processos de neurodegeneração e neuroproteção. (AU)