Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos do tratamento com brometo de piridostigmina previamente ao infarto do miocárdio em ratos: papel na função autonômica e perfil inflamatório

Processo: 15/05019-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2015
Vigência (Término): 31 de maio de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Maria Claudia Costa Irigoyen
Beneficiário:Juliana Cristina Martins Freitas de Oliveira
Instituição-sede: Instituto do Coração Professor Euryclides de Jesus Zerbini (INCOR). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Brometo de piridostigmina   Inflamação   Fisiologia cardiovascular   Infarto do miocárdio

Resumo

O infarto do miocárdio (IM) é a doença cardiovascular mais comum e com maior índice de mortalidade em todo mundo. Dentre os processos dinâmicos do IM, o perfil inflamatório e o desequilíbrio autonômico entre simpático e parassimpático, são alguns dos mais relevantes. Com isso em mente, possíveis terapêuticas farmacológicas utilizando-se inibidores da acetilcolinesterase, como o brometo de piridostigmina (PIR), visam o aumentar tônus parassimpático para o coração e, possivelmente reduzir o processo inflamatório cardíaco. Surge então a hipótese de que o uso de PIR, previamente ao IM, poderia ter um efeito positivo adicional na função autonômica, e consequentemente, na resposta inflamatória de animais submetidos ao IM. Dessa forma, o objetivo do presente estudo será avaliar as respostas autonômicas e inflamatórias da isquemia miocárdica em ratos previamente submetidos ao tratamento com brometo de piridostigmina. Serão utilizados ratos Wistar machos tratados por 60 dias com PIR e, ao final destes, submetidos a cirurgia de IM. Após o IM, as avaliações hemodinâmicas diretas, a sensibilidade barorreflexa, modulação autonômica (análise espectral), bem como concentração de citocinas inflamatórias (ELISA) no ventrículo esquerdo serão realizadas. Os resultados serão apresentados como média ± erro padrão da média e os testes estatísticos de ANOVA serão devidamente aplicados. Serão considerados significativos P<0,05.