Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo global da estrutura da zona de transição do manto a partir de anomalias do geóide e da propagação de ondas SS

Processo: 14/17779-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2015
Vigência (Término): 31 de março de 2018
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geofísica
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Naomi Ussami
Beneficiário:Carlos Alberto Moreno Chaves
Instituição-sede: Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:09/50493-8 - Modelos da crosta e litosfera sob as bacias do Paraná e Chaco-Paraná integrando gradiometria gravimétrica por satélite, gravimetria terrestre e sondagens magnéticas e eletromagnéticas, AP.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):16/11580-6 - Estudo global da zona de transição do manto a partir da propagação de ondas SS, BE.EP.PD
Assunto(s):Geodinâmica

Resumo

O entendimento sobre a estrutura da zona de transição pode trazer importantes informações sobre o estilo de convecção predominante no manto da Terra, um problema ainda não resolvido em geodinâmica. Essa região do manto que é caracterizada por mudanças de fase do mineral olivina, o mais abundante no manto, desempenha um papel chave no mecanismo de convecção, se em camadas ou envolvendo todo o manto. Esta proposta de pós-doutorado foca na determinação da topografia das descontinuidades de 410 km e 660 km e na estimativa de suas estruturas de densidade em escala global a partir do estudo da propagação das precursoras da onda SS no manto e da inversão de anomalias do geoide. Nós iremos fazer uma avaliação crítica dos atuais métodos utilizados para derivar tais topografias e ver como simplificações teóricas no uso da teoria do raio afetam a estimativa da espessura da zona de transição. Utilizando a teoria da frequência finita e explorando os vários modelos globais de tomografia existentes, nós pretendemos gerar mapas mais precisos das ondulações das descontinuidades de 410 e 660 km. Esses mapas serão utilizados como informação a priori na inversão das anomalias do geoide, removendo-se inicialmente o efeito das massas litosféricas, para determinação de um modelo de distribuição de densidade. A interpretação conjunta da variação da topografia das descontinuidades na zona de transição, amplamente utilizada como um "termômetro" do manto, do sinal do contraste de densidade e dos resultados laboratoriais fornecido pela física de minerais trará resultados mais confiáveis sobre o real estado térmico do manto sob zonas de subducção ou regiões de hot-spots. Nós também iremos correlacionar os resultados obtidos para o manto sob a Província Magmática do Paraná (PMP) com os de outras grandes províncias ígneas (LIP) ao redor da Terra em busca assinaturas em comum, tal que possamos ter um melhor conhecimento do manto sob a PMP. Essa análise será integrada aos resultados provenientes do Projeto Temático FAPESP Processo 09/50493-8, intitulado "Modelos da crosta e litosfera sob as Bacias do Paraná e Chaco-Paraná integrando gradiometria gravimétrica por satélite, gravimetria terrestre e sondagens geomagnéticas e eletromagnéticas.", coordenado pelo Professor Ícaro Vitorello (INPE-MCT) e tendo como pesquisadora principal a Professora Naomi Ussami do IAG-USP. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CHAVES, CARLOS A. M.; RITSEMA, JEROEN. The influence of shear-velocity heterogeneity on ScS2/ScS amplitude ratios and estimates of Q in the mantle. Geophysical Research Letters, v. 43, n. 15, p. 7997-8005, AUG 16 2016. Citações Web of Science: 1.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.