Busca avançada
Ano de início
Entree

Alavancas Modernizadoras: o clube de engenharia do Rio de Janeiro e as Relações Brasil - Estados Unidos em perspectiva transnacional (1880-1933)

Processo: 15/03188-6
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2016
Vigência (Término): 15 de dezembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Arquitetura e Urbanismo - Fundamentos de Arquitetura e Urbanismo
Pesquisador responsável:Fernando Atique
Beneficiário:Fernando Atique
Anfitrião: Barbara Weinstein
Instituição-sede: Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (EFLCH). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Guarulhos. Guarulhos , SP, Brasil
Local de pesquisa : New York University, Estados Unidos  
Assunto(s):História social   Engenheiros   História da arquitetura   Arquitetos

Resumo

O Clube de Engenharia do Rio de Janeiro foi fundado em 1880 como uma entidade capaz de aglutinar engenheiros, engenheiros-arquitetos e empresários, de maneira a estimular a expansão do campo material da sociedade, e legitimar os saberes técnicos como preponderantes para a condução da vida pública. Reunindo profissionais de diversas áreas da engenharia, da arquitetura e da indústria, muitos deles estrangeiros atrelados aos processos de modernização em curso no Brasil e em outros países da América Latina naquele período, o Clube de Engenharia tornou-se a principal instância consultiva do Brasil, e a primeira, entre suas congêneres no ambiente sul-americano, no que tange ao desenvolvimento de uma política modernizadora a partir das profissões ligadas à tecnologia e ao espaço. Sua ação era, então, a de uma alavanca para o progresso. Nesta pesquisa proposta intentamos estudar o relacionamento Brasil - Estados Unidos por meio do arquivo de sócios do Clube de Engenharia, entre 1880 e 1933, ano em que se regulamenta, no Brasil, a profissão de Engenheiros e Arquitetos, por meio do Decreto Federal 23.569. A intenção que embasa esta proposta é a de mostrar que o Clube de Engenharia foi uma instituição com importância maior que a de cunho nacionalista, consagrada na parca historiografia a tratá-lo. Dessa maneira, por meio da compreensão dos pressupostos teóricos e metodológicos da História Transnacional, enseja-se tomar o Clube de Engenharia do Rio de Janeiro como uma arena que acolheu profissionais com diplomação nos Estados Unidos. Em decorrência deste fato, e das tensões, conflitos e negociações percebidas mediante a investigação a ser processada, conhecer facetas políticas (públicas ou institucionais) praticadas pelo Brasil e por aquele país, nesse período, que ainda não são nítidas, passados mais de 130 anos de fundação desta instituição em tela. Participando, então, de seminários, palestras, cursos, bem como valendo-se da oportunidade de pesquisar, in loco, arquivos de instituições americanas, a partir da supervisão da Profa. Barbara Weinstein, da New York University, em Nova York, aponta-se a pertinência dessa discussão para a história Urbana, da Arquitetura, do Urbanismo, da Imigração e da Tecnologia, temáticas que estão sob meu ponto de interesse em minha atividade profissional na Universidade Federal de São Paulo, em seu Departamento de História. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.